seca e chuva paraiba

As chuvas registradas nos últimos dias no estado surpreendeu os moradores da maioria das cidades paraibanas. Mas, se por um lado a chuva vem mudando o cenário de verão em algumas cidades litorâneas e mesmo do semi-árido paraibano, por outro, a estiagem ainda está acometendo 142 cidades, em virtude da ausência de chuvas. A Defesa Civil da Paraíba informou que ainda existem 142 cidades em que o problema da seca prevalece, fazendo com que as áreas rurais das cidades tenham o auxílio do serviço dos caminhões-pipa: “Ainda existem os municípios com o problema da estiagem, mas as chuvas registradas já fizeram com que 32 cidades suspendessem o serviço”, disse o coordenador estadual, Walber Rufino.

Na próxima semana, a Defesa Civil da Paraíba estará no sertão paraibano, a fim de contatar os organismos municipais de Patos, Sousa e Cajazeiras, para saber se os locais estão passando por dificuldades. A avaliação de Walber Rufino, é de que a previsão feita pela Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa-PB) de incidência de chuvas acima da média tem se confirmado, mas que as maiores dificuldades estão situadas justamente nas cidades mais urbanizadas. “As cidades mais urbanizadas estão sofrendo mais porque as chuvas estão ocorrendo num volume concentrado e num curto período de tempo”, explicou o coordenador.

Para João Pessoa, a Aesa-PB informou, através do serviço de meteorologia, que, em janeiro, a média histórica da cidade é de 79.5mm, mas as chuvas na capital chegaram a 155.8mm até o dia 27 de janeiro, o que representa o dobro do índice. O meteorologista Alexandre Magno apontou a cidade de Mataraca como a região do litoral em que mais choveu, com 250.7mm de precipitações, quando a média histórica para o município é de 103.9mm.

A moradora da comunidade do Riachinho, Marilene de Santana, 49, lida todos os anos com o problema das chuvas, mas dessa vez o drama veio mais cedo. A casa de tijolo com um vão que serve de quarto e sala, tendo uma divisória em que ficam dispostos um banheiro e a cozinha, serve para abrigar cinco pessoas, entre as quais os dois netos. A casa não tem janelas e toda vez que há excesso de chuvas, as tubulações de esgoto ficam obstruídas e retornam para dentro de casa: “Todo ano é a mesma coisa. A chuva alaga tudo, entope os canos e a fossa sobe para dentro de casa”, diz a moradora, que está cadastrada no plano de habitações da prefeitura.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here