Governador de Porto Rico diz que não buscará a reeleição, mas se recusa a renunciar 0 129

Governador de Porto Rico diz que não buscará a reeleição, mas se recusa a renunciar 1

O governador de Porto Rico disse no domingo que não buscará a reeleição no próximo ano, mas se recusou a renunciar após nove dias de protestos, às vezes violentos, exigindo sua saída por um escândalo baseado em uma série de mensagens de chat vulgares.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

A polêmica de Rosselló

Um dia antes de uma greve geral e mais manifestações planejadas no território dos EUA, Ricardo Rosselló disse que respeitava os desejos dos porto-riquenhos e não concorreria a outro período nas eleições de novembro de 2020.

Ele também disse que renunciaria como chefe do Novo Partido Progressivo (PNP), mas permaneceria governador até o final de seu mandato em janeiro de 2021.

“Eu sei que não é o suficiente para se desculpar. Somente meu trabalho ajudará a restaurar a confiança desses setores no caminho da verdadeira reconciliação ”, disse Rosselló em um vídeo do Facebook ao vivo.

Resta saber se as ações de Rosselló vão tranquilizar os detratores que exigem sua renúncia.

As mensagens vulgares que foram publicadas em 13 de julho desencadearam ressentimento sobre a manipulação dos furacões devastadores de 2017, a alegada corrupção em seu governo e a fraca recuperação da ilha da falência.

A decisão de Rosselló de não se demitir foi recebida com indignação no Twitter, onde muitos porto-riquenhos se comprometeram a ir às ruas na segunda-feira para exigir sua saída.

As manifestações para a saída do governante

“#Renunciação Ricky não é apenas um convite para deixar a festa, mas também de sua posição como o principal oficial”, twittou Linda Michelle, engenheira industrial e personalidade de rádio de Porto Rico. “Quem não tinha certeza de ir para a marcha amanhã, agora decidiu ir.”

Nos bate-papos on-line publicados em 13 de julho, o governador de centro-direita e seus principais aliados se referiram a políticos comuns, celebridades e porto-riquenhos em termos misóginos, homofóbicos e vulgares.

Fonte:Reuters Latin America

Previous ArticleNext Article
Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem PLN4, BPC LOAS será suspenso a partir do próximo dia 25 de junho 0 346

Sem PLN4, BPC LOAS será suspenso a partir do próximo dia 25 de junho 2

Um comunicado feito por Jair Messias Bolsonaro através do seu Facebook oficial está revoltando a muitos cidadãos. Nele o presidente informou que sem a aprovação da medida PLN4 pelos deputados e senadores, já a partir do próximo dia 25 de junho todos os benefícios destinados a aposentados e pessoas com deficiência do BPC LOAS serão cortados.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Em seu comunicado Bolsonaro ainda cita que sem a aprovação, após este período também começarão a ser suspensas outras aposentadorias e recursos para o Bolsa Família, PRONAF, Plano Safra e grande parte dos benefícios sociais.

As palavras escritas por Bolsonaro na sua rede social foram:

“Sem aprovação do PLN 4 pelo Congresso teremos que suspender o pagamento de benefícios a idosos e pessoas com deficiência já no próximo dia 25. Nos meses seguintes faltarão recursos para aposentadorias, Bolsa Família, PRONAF, Plano Safra.

Acredito na costumeira responsabilidade e patriotismo dos deputados e senadores na aprovação urgente da matéria…”

Revolta

Muitos cidadãos, inclusive eleitores do presidente estão comentando sobre o caso na própria rede social, onde grande parte está revoltado. Em seus comentários a grande maioria questiona os cortes, pois os valores serão retirados dos mais pobres, onde se questionam de o porquê não cortar os salários dos parlamentares primeiro.

Algumas das respostas foram as seguintes:

  • Sother Marques Neto disse: Presidente: Uma pergunta: Por que não se fala que não haverá dinheiro para pagamento do judiciário, do legislativo e do executivo se não for aprovado o crédito extra? Por que este tipo de gente tem garantia de seus salários e só faltará dinheiro para pagar bolsa família e aposentados?”
  • Wellington Souza disse: Senhor presidente Jair Messias Bolsonaro uma das principais reforma que deve ser feita hj em nosso país e a reforma política pois não sei qual o objetivo de termos 513 deputados gastando mensalmente e anualmente os valores de R$ 91,8 milhões todo mês. Ou R$ 1,1 bilhão por ano. E 81 senadores com o gasto de Cada senador custa R$ 596 mil por mês aos cofres públicos enquanto professores polícias médicos hj em dia ganham no máximo 4 a 5 mil reais por mês até quando nosso país vai viver essa demanda triste Brasil acima de tudo, Deus acima de todos.”

Entre centenas de outros neste mesmo sentido.

O que é a PLN4?

Em decorrência dos últimos mandatos, hoje as contas públicas do governo estão todas desequilibradas, é preciso fazer toda uma reestruturação para conter os rombos. Mas para continuar mantendo o crédito barato aos produtores rurais, pagar despesas do Bolsa Família e até mesmo aposentadorias, será preciso que o Congresso aprove já nas próximas semanas uma autorização de dívida, gerando um valor de R$ 249 bilhões para os cofres do Governo, além do estipulado inicialmente.

Sem autorização desta emissão, que vem sendo chamada de PLN4 o presidente terá uma difícil decisão, onde uma delas é cancelar as despesas agravando a crise econômica no Brasil ou manter os pagamentos e correr o risco de pedaladas fiscais, onde poderá sofrer um processo de impeachment, como aconteceu no governo da Dilma.

 

Bolsonaro reconheceu formalmente a enviada da oposição venezuelana ao Brasil 0 232

enviada da oposição venezuelana ao brasil

O presidente de extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro, recebeu as credenciais diplomáticas da enviada do líder da oposição venezuelana, Juan Guaido, ao Brasil. Em outras palavras, Bolsonaro reconheceu formalmente a enviada da oposição venezuelana ao Brasil.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia também:

Bolsonaro reconheceu formalmente a enviada da oposição venezuelana ao Brasil

A embaixadora Maria Teresa Belandria, enviada da oposição venezuelana ao Brasil, disse na sexta-feira que o governo brasileiro retirou seu convite para apresentar suas credenciais no palácio presidencial. Mas sua porta-voz disse à Reuters na terça-feira que o governo mudou de idéia.

O porta-voz de Bolsonaro, general Otavio Rego Barros, disse que o Brasil está adotando a postura de outros membros do chamado Grupo de Lima de países que apoiam Guaido e a realização de eleições democráticas na Venezuela. Por essa razão ele reconheceu a enviada da oposição venezuelana ao Brasil.

Belandria, no entanto, não será capaz de se mudar para a embaixada venezuelana em Brasília porque ainda está ocupada por diplomatas representando o presidente esquerdista da Venezuela, Nicolas Maduro, e eles não serão expulsos do Brasil, disse Rego Barros.

A análise diplomática

Analistas diplomáticos disseram na semana passada que a ala militar do governo de Bolsonaro estava relutante em reconhecer a enviada da oposição venezuelana ao Brasil porque as autoridades não vêem uma mudança iminente de governo na Venezuela.

O pedido de Guaido às forças armadas venezuelanas para abandonar Maduro e se juntar ao movimento de oposição foi amplamente ignorado no mês passado, levando muitos a pensar que ele havia exagerado em suas mãos com o apoio do governo dos EUA.

Bolsonaro, como muitos líderes na região, tem sido fortemente crítico de Maduro e reconheceu Guaido como o líder legítimo do país.

Ex-oficiais militares, que compõem cerca de um terço do gabinete de Bolsonaro, têm sido cautelosos em provocar Maduro, alertando contra medidas que podem levar a uma crise econômica e política à violência em toda a fronteira norte do Brasil.

O principal assessor de segurança de Bolsonaro, o general aposentado Augusto Heleno, disse à Reuters no início deste mês que as forças armadas da Venezuela decidirão o futuro de Maduro e poderão destituí-lo para liderar a transição para eleições democráticas.

Most Popular Topics

Editor Picks