Pais de coração 0 41

pais de coracao

Movidos pela solidariedade, muitos dedicam parte de suas vidas à educação, carinho e a formação dos filhos dos outros

Fátima Sousa
Repórter

Isabela Ferreira de Oliveira, 10 anos, desde o início da semana tinha o pensamento voltado para o que iria dar de presente hoje, a Djalmi Martins Cabral, seu pai de coração. Ela é uma das meninas da Missão Restauração, instituição filantrópica evangélica que cuida de meninas que estavam em situação de risco, abandonadas pelos pais biológicos, muitas delas desgarradas de suas famílias, fora da escola, soltas pelas ruas e sem nenhuma perspectiva de futuro.

Há três anos ela está na instituição, local onde diz que foi acolhida como uma verdadeira filha. “Eu gosto muito dele e quero oferecer qualquer coisa hoje para retribuir o carinho que ele tem por mim e pelas outras”, diz Isabela, que admite gostar muito de Djalmi – o Mica, como é carinhosamente chamado pelas garotas. Ele coordena os trabalhos da Instituição – ligada à Igreja Batista do bairro de Jaguaribe – com a esposa Nilcilene Pontes Cabral e outros voluntários.

Next Article
Jornalista pós-graduado em mídia e redes sociais e jornalismo com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ex-seminaristas suspeitos de ameaças contra padres 0 29

seminaristas suspeitos

Três ex-seminaristas são os principais suspeitos de uma série de ameaças de morte e tentativas de extorsão a pelo menos três padres da diocese de Cajazeiras, no Sertão da Paraíba. Há cerca de dois anos, os padres vinham sofrendo ameaças de calúnia e extorsão, que passaram a ficar mais graves, chegando a ameaças de morte. A diocese prestou denúncia, no início da semana, ao Ministério Público Estadual, que encaminhou o caso à Delegacia Distrital de Cajazeiras, onde um inquérito já foi instaurado.

Umas das mais recentes ameaças dizia que 15 padres seriam mortos em um evento católico, no mês de janeiro, e, logo após, o responsável pelo atentado cometeria suicídio na frente de todos. De acordo com o major José Ronildo, comandante do 6º Batalhão de Polícia Militar (BPM), em Cajazeiras, a série de ameaças teve início com o pedido de reingresso dos três seminaristas à arquidiocese. Com a negativa, os ex-seminaristas pediram a quantia de R$ 50 mil para que não divulgassem fatos supostamente ligados à vida íntima dos padres.

Um dos seminaristas, que morava em Cajazeiras, estaria morando em São Paulo. Já os outros dois são de João Pessoa, segundo o major José Ronaildo. Os três foram expulsos por problemas disciplinares dentro da arquidiocese. “Há suspeita de que havia um relacionamento homossexual entre eles, um deles, inclusive, chegou a confessar o interesse em um dos colegas”, revelou. Os três ex-seminaristas não teriam se conformado, segundo a versão da polícia, e iniciado uma série de ataque aos religiosos.

O inquérito está sob responsabilidade do delegado Luiz Barbosa Neto, da Delegacia Regional de Cajazeiras. Ele recebeu o inquérito ontem e uma das primeiras providências foi ouvir o bispo Dom José Gonzáles, responsável pela diocese de Cajazeiras. “Recebi o inquérito às pressas e ainda não tenho maiores informações. Vou começar a ouvir as partes para podermos chegar aos responsáveis pela denúncia”, garantiu o delegado.

Em nota divulgada à imprensa, o bispo disse que ele e outras pessoas passaram a receber telefonemas, e-mails e torpedos, de origem desconhecida, denegrindo o clero e seminaristas com difamações e calúnias, em linguagem desrespeitosa, agressiva e mesmo pornográfica. “Por fim, as mensagens passaram a conter ameaças de todo tipo, também de morte, pessoais e até coletivas, tentando criar um clima de terror e de chantagem, com caráter extorsivo”, dizia a nota da Diocese de Cajazeiras.


Motorista suspeito de abuso 0 31

motorista acusado de abuso

Um motorista de 66 anos foi preso na manhã de ontem acusado de abusar sexualmente de uma menina de apenas 10 anos de idade. O crime aconteceu na manhã da última quarta-feira, mas a garota foi rápida e, assim que encontrou a mãe, relatou o que tinha acontecido na casa de sua bisavó, onde o acusado tinha lhe levado para passar a tarde. Ele trabalhava como motorista para a família da vítima há pouco mais de um ano, mas só agora teria demonstrado um comportamento libidinoso, beijando o rosto e acariciando as partes íntimas da garota.

De acordo com o depoimento prestado pela criança na Delegacia de Crimes Contra a Infância e Juventude, o suspeito estava levando-a para a casa de sua bisavó, mas parou o veículo num posto de gasolina e comprou guloseimas e um jogo para ela. Além dos agrados, o motorista deu o troco da compra para a menina. “Na casa da minha bisavó, ele me chamou para brincar com o jogo, deu um beijo na minha testa e olhou para cima, para ver se havia alguém olhando. Eu perguntei porquê ele estava olhando para o alto e ele disse que era porque ali tinha muita gente curiosa”, contou a vítima, em depoimento.

Após o beijo na testa, o motorista chamou a criança para outro terraço, que serve como garagem da casa, e passou a beijar todo o rosto e acariciar as partes íntimas da menina, que logo arranjou um argumento e saiu correndo do local. “A criança disse que sua mãe estava telefonando e saiu imediatamente da garagem. Quando foi sair com a bisavó para ir ao médico, a menina chamou a empregada da casa para ir junto, com medo que o motorista tentasse abusá-la novamente. Apesar de ter apenas 10 anos, ela é uma garota bem instruída, que assim que encontrou a mãe, denunciou a atitude do empregado da família”, contou a delegada Joana D’arc Sampaio Nunes, que assumiu o caso.

Os pais da garota ficaram chocados com o que aconteceu e, assim que a menina relatou o fato, procuraram a Delegacia de Crimes Contra a Infância e a Juventude. “Quando me encontrou à noite, minha filha disse que tinha um assunto sério para conversar comigo. Mal esperou chegar em casa e disse o que o motorista tinha feito. Estamos chocados porque a gente cuida de uma filha com todo carinho e um monstro desse vem fazer mal à ela, mas estamos orgulhosos porque ela soube agir da melhor maneira”, relatou a mãe da criança.

Na delegacia, o suspeito negou todas as acusações. “Eu não fiz nada disso. Só comprei doce para ela. Não sei porque ela tá fazendo isso”, alegou. O motorista, que é casado e pai de oito filhos, responderá pelo crime de abuso sexual contra vulnerável e pode ficar detido por um período de 8 a 15 anos de reclusão se for condenado pela justiça.


Most Popular Topics

Editor Picks