Trump intensifica ataques contra quatro parlamentares democratas 0 104

Trump intensifica ataques contra quatro parlamentares democratas 1

O presidente Donald Trump intensificou sua ofensiva contra quatro parlamentares liberais ao chamá-los de antiamericanos em uma manifestação estridente na quarta-feira, que destaca que os ataques serão uma parte fundamental de sua estratégia para ganhar a reeleição em 2020.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Tensões entre Trump e os democratas

Apesar das críticas dos democratas de que seus comentários sobre congressistas minoritários são racistas, Trump manteve um longo discurso sobre as quatro políticas, dizendo que eles eram bem-vindos para deixar o país se não gostassem de suas políticas em questões como a imigração. e a defesa de Israel.

“Então, esses congressistas, seus comentários, estão ajudando a alimentar a ascensão de uma esquerda militante perigosa e radical”, disse o presidente republicano diante do clamor da multidão na Carolina do Norte, um estado que é considerado chave para sua reeleição.

Trump twittou no fim de semana que os quatro representantes progressistas – Ilhan Omar de Minnesota, Alexandria Ocasio-Cortez de Nova York, Rashida Tlaib de Michigan e Ayanna Pressley de Massachusetts – deveriam “voltar” de onde eles vieram, embora Eles são todos cidadãos americanos e três deles nasceram nos EUA.

O objetivo, disse uma fonte próxima a Trump, era fazer com que os democratas parecessem o mais radical possível aos olhos dos eleitores moderados enquanto se preparavam para uma dura batalha de reeleição em novembro de 2020.

“Está tentando torná-los a face do Partido Democrata à medida que nos aproximamos do ciclo de 2020 e está tentando destacá-los como um grupo marginal, tanto quanto possível, para que eles dissuadam os eleitores que estão no centro.” disse a fonte.

Enquanto Trump recontou no comício declarações anteriores de Omar, que nasceu na Somália e emigrou para os Estados Unidos quando criança, a multidão começou a gritar: “Devolva!”

“Esta noite tenho uma sugestão para os extremistas odiosos que estão constantemente tentando destruir nosso país. Eles nunca têm nada de bom para dizer. É por isso que eu digo: “Se você não gosta deles, deixe-os ir. Deixe-os ir “, disse Trump.

Trump gastou cerca de um quinto de seu discurso de 90 minutos criticando os quatro legisladores, em face da resposta entusiasta da multidão.

O ex-vice-presidente Joe Biden, favorito para a candidatura presidencial democrata em 2020, atacou os comentários de Trump via Twitter.

“Esses congressistas, filhas de imigrantes, como muitos de nós, são um exemplo exato do que torna os Estados Unidos grandes”, disse Biden na rede social.

Trump também zombou de Biden em seus comentários e entrou em outros democratas que competem para ser o candidato do partido para 2020.

Ele reiterou sua referência frequente à senadora norte-americana Elizabeth Warren como “Pocahontas”, um comentário controverso sobre sua origem que Warren e grupos nativos americanos chamaram de racistas.

Fonte:Reuters Latin America

Previous ArticleNext Article
Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O medo pelo clima aumenta as chances de os Verdes controlarem a Alemanha 0 136

O medo pelo clima aumenta as chances de os Verdes controlarem a Alemanha 5

Um ex-ginasta e um autor de livros infantis foram responsáveis pelo retorno espetacular dos Verdes à frente da política alemã, atraindo a perspectiva inimaginável de uma chanceler ecológica que sucedeu a Angela Merkel.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

A nova ascensão dos Verdes na Alemanha

Aproveitando a crescente preocupação na Europa com as mudanças climáticas, especialmente entre os jovens, “Die Grünen” obteve 20,5% dos votos na Alemanha nas eleições para o Parlamento Europeu em maio último, o melhor resultado de sua história.

Seu sucesso convulsionou a frágil coalizão de conservadores e social-democratas de Merkel, que dominou a política alemã desde a Segunda Guerra Mundial.

“Isso não é de forma alguma um voto de protesto ou uma absorção dos votos dos social-democratas (do SPD), é uma tendência de longo prazo”, disse Heinrich Oberreuter, professor de política na Universidade de Passau.

“A vantagem para os Verdes é que eles possuem a questão da mudança climática, que é um problema de longo prazo.”

Merkel perdeu o status de “chanceler do clima”, pressionando líderes mundiais para enfrentar a mudança climática, e as credenciais ecológicas do SPD foram prejudicadas por seus laços estreitos com a indústria do carvão.

Com 27% a 29% das urnas em junho, os verdes tornaram-se o partido mais forte da Alemanha, fazendo manchetes sobre a possibilidade de um de seus líderes, o popular Robert Habeck, se tornar Chanceler

Pode ser uma possibilidade remota, mas eles poderiam muito bem se juntar ao governo e substituir o SPD – o parceiro menor da coalizão – como a principal força de centro-esquerda, dizem os especialistas.

Inspirada pelos movimentos de paz dos anos 60 e fundada em 1980, a festa foi considerada por muito tempo como um grupo marginal de abraçadores de árvores. Politicamente, ele está mais próximo do SPD, com quem dividiu o poder como chanceler Gerhard Schroeder em 1998-2005.

É também um partido europeu que acolheu refugiados na crise migratória de 2015, quer uma mudança total na energia renovável, o fim do motor de combustão e impostos mais altos para SUVs.

As chances de eleições antecipadas antes de 2021 aumentaram desde a votação européia, na qual os verdes relegaram o SPD para o terceiro lugar. Em um contexto de turbulência, com índices de popularidade quase em níveis recordes, os social-democratas poderiam abandonar sua afetuosa coalizão com Merkel no final do ano.

As pesquisas sugerem que os verdes seriam grandes vencedores nas eleições.

Uma opção para o governo federal seria uma coalizão entre conservadores e verdes, embora sem Merkel, que diz que enfrenta seu último mandato depois de 14 anos comandando a Alemanha, a locomotiva econômica da Europa.

No entanto, posições radicalmente diferentes em energia, cortes de impostos e migração colocariam desafios a essa aliança.

“Eu precisaria direcionar sua atenção e recursos financeiros disponíveis para a proteção climática e a transição energética”, disse o Deutsche Bank em nota de análise. “Cidadãos e empresas não podem contar com grande alívio fiscal”.

No entanto, os Verdes podem preferir uma aliança à esquerda. Nas eleições estaduais de maio em Bremen, elas surgiram como uma grande festa, mas optaram por se juntar ao SPD e à esquerda radical em vez dos conservadores, que haviam conquistado a maioria dos votos.

GRANDE ATRATIVO

Os Verdes conquistaram profissionais municipais adotando questões sociais como o aumento da renda nas cidades, mas essa dupla de líderes desleixados, mas amigos da mídia: Habeck, e a menos carismática Annalena Baerbock, é também popular.

“Eles têm um estilo político pragmático e racional e até agora estão agindo com sabedoria e mantendo as diferenças internas sob controle”, disse Manfred Guellner, chefe do grupo de pesquisa Forsa.

Habeck superou Merkel no mês passado ao se tornar o político mais popular da Alemanha. Novelista e autor de livros infantis, ele é o candidato mais provável para a posição mais alta, disse Guellner.

Ele e Baerbock, um ex-saltador de trampolim que estudou direito internacional, ignoram questões sobre suas ambições, mas reconhecem que a pressão está presente.

“Nós criamos esperanças que devem ser cumpridas. Todos sabem que devemos cumprir ”, disse Habeck após as eleições europeias.

Fonte:Reuters Latin America

Guatemala recusa receber Donald Trump e muito menos assinar tratado imigratório 0 230

trump e presidente guatemala encontro cancelado

A reunião que estava prevista para acontecer nesta segunda-feira (15/07), entre os presidentes da Guatemala, Jimmy Morales, e dos Estados Unidos, Donald Trump, não irá mais ocorrer por conta de que o governo guatemalteco, não está dispostos a uma possível negociação sobre a entrada de imigrantes no país.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Neste encontro estava previsto que a Guatemala, localizada na América Central, sendo uma das principais “paradas” para imigrantes que desejam avançar para os Estados Unidos, assinasse um acordo que traria benefícios para ambos os países. Porém após a recusa de Jimmy Morales, ficou claro que não há nenhuma intenção de avançar em um pacto desta natureza.

A reunião estava prevista para acontecer na cidade de Washington. Ela não aconteceu pois diversas ações foram apresentadas à Corte de Constitucionalidade (CC) do país, onde todas se diziam contra a Guatemala se transformar em um “país seguro” para imigrantes, dificultando a chegada dos mesmos aos Estados Unidos, pois todos os pedidos de asilo seriam processados pela Guatemala antes de seguir viagem para o país de Trump.

México, Guatemala, Honduras e El Salvador estão na rota principal dos imigrantes para chegar aos Estados Unidos.

O que disse o comunicado de cancelamento

O governo guatemalteco informou que devido às especulações todas as ações legais interpostas e admitidas no trâmite da Corte de Constitucionalidade (CC) do país, houve a necessidade de reprogramar o encontro bilateral com Donald Trump, até que todos os detalhes sobre a decisão da corte sejam esclarecidos.

Na noite desde domingo (14/07) a Corte publicou um amparo provisório, evitando que a Guatemala se constitua como um “terceiro país seguro” na América Central. Houveram muitas críticas, principalmente da oposição do presidente Morales, o que levou a necessidade do acordo passar primeiramente pelo Congresso, para se for aprovada pelo parlamentares, continuar com o processo.

Ano de eleições na Guatemala

O país está a menos de um mês das eleições que escolherá um novo presidente para o país. A reunião e o tratado não seguiu em frente, justamente por ser algo muito em cima de uma nova eleição.

As eleições devem acontecer no próximo dia 11 de agosto, onde estão em vantagem os candidatos Alejandro Giammattei (Direita) e a Social Democrata, Sandra Torres.

Most Popular Topics

Editor Picks