Parada do Orgulho LGBT em Varsóvia atrai multidão em meio a debate político acalorado 0 267

parada do orgulho lgbt em varsóvia

Dezenas de milhares de pessoas participaram da Parada do Orgulho LGBT em Varsóvia nesse sábado, enquanto os direitos dos homossexuais continuam a se tornar uma questão importante na campanha eleitoral da Polônia.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia também:

A Parada do Orgulho LGBT em Varsóvia, na Polônia

parada do orgulho lgbt em varsóvia

A Parada do Orgulho LGBT em Varsóvia, que deve ser o maior do gênero na cidade, acontece quando o partido conservador Law and Justice (PiS) aumenta sua oposição aos direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros, dizendo que o apoio da oposição às questões LGBT ameaça a cultura polonesa.

O PiS fez das alegadas ameaças relacionadas aos movimentos LGBT uma grande parte de sua campanha nas eleições do Parlamento Europeu no mês passado e o tema provavelmente continuará sendo um tema importante antes do voto nacional esperado em outubro ou novembro.

Analistas dizem que o PiS espera re-energizar sua base principalmente rural, prometendo empurrar de volta contra o liberalismo ocidental e se beneficiar do aprofundamento das divisões na sociedade em relação às políticas para grupos minoritários, meio ambiente, aborto e migração.

Varsóvia é mais liberal do que as zonas rurais mais conservadoras do país, onde o PiS encontra muito de seu apoio.

Como foi a Parada do Orgulho LGBT em Varsóvia

A Parada do Orgulho LGBT em Varsóvia atraiu principalmente jovens vestidos com roupas coloridas, que percorriam as ruas dançando, cantando e carregando bandeiras de arco-íris.

“Estou aqui para meu filho, que é gay, e para seus amigos”, disse Tatiana Pawlowa, uma aposentada de 83 anos que ingressou na marcha. “Eu quero mostrar que estou com eles.”

Um porta-voz da prefeitura de Varsóvia disse que cerca de 50 mil pessoas deveriam participar do desfile, em comparação com 45 mil estimadas de terem participado de um evento semelhante em 2018.

“Este desfile, sem dúvida, quebra recordes em termos de atendimento”, disse o porta-voz em mensagem de texto.

Rafal Trzaskowski, o prefeito de Varsóvia, que ganhou uma eleição na capital no ano passado contra um candidato do PiS, foi criticado pelo partido no poder este ano por planos de introduzir um programa de educação sexual destinado a ensinar os alunos sobre orientação sexual, discriminação e saúde reprodutiva. .

“Nem todo mundo tem que marchar em um desfile de igualdade, mas todos devem respeitar os direitos dos grupos minoritários”, disse Trzaskowski, que se juntou ao desfile. “Isso não tem nada a ver com quem é esquerdista, liberal ou conservador”.

A reação do PiS

PiS não estava imediatamente disponível para comentar a Parada do Orgulho LGBT em Varsóvia no sábado. Em abril, o líder do partido Jaroslaw Kaczynski chamou o movimento LGBT de “uma ameaça à nossa identidade, uma ameaça à nossa nação e à sua existência a longo prazo”.

Fonte:Reuters.

Previous ArticleNext Article
Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tiroteio em El Paso poderá ser investigado como “terrorismo doméstico” 0 195

Tiroteio em El Paso poderá ser investigado como "terrorismo doméstico" 4

O tiroteio que matou 20 pessoas na cidade fronteiriça de El Paso, no Texas, será tratado como um caso de “terrorismo doméstico”, disseram autoridades dos Estados Unidos.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

EUA, o caso de El Paso e o terrorismo doméstico

Tiroteio em El Paso poderá ser investigado como "terrorismo doméstico" 5

O anúncio veio no domingo, quando o México declarou que vai tomar medidas legais para proteger seus cidadãos nos Estados Unidos. Seis mexicanos estão entre os que foram mortos no ataque de sábado contra uma loja do Walmart, segundo autoridades.

O governador do Texas, Greg Abbott, disse que o ataque parecia ser um crime de ódio, e a polícia citou um “manifesto” que atribuíram ao suspeito como evidência de que o derramamento de sangue era racialmente motivado.

Um promotor estadual disse que eles buscarão a pena de morte para o suspeito, Patrick Crusius, 21, de Allen, Texas.

O promotor norte-americano do distrito ocidental do Texas, John Bash, disse que as autoridades federais estão tratando o ataque com armas de fogo como um caso de “terrorismo doméstico”.

“E vamos fazer o que fazemos aos terroristas neste país, que é garantir uma justiça rápida e certa”, disse Bash a repórteres em uma coletiva de imprensa.

Ele disse que o ataque parecia “destinado a intimidar uma população civil, para dizer o mínimo”.

O chefe de polícia de El Paso, Greg Allen, disse que o suspeito estava cooperando com os investigadores.

“Ele basicamente não segurou nada”, disse Allen na entrevista coletiva de domingo, mas se recusou a elaborar.

A polícia disse que o suspeito abriu fogo com um rifle contra os compradores, muitos dos quais procuravam barganhas por suprimentos de volta às aulas, depois se renderam aos policiais que o confrontaram do lado de fora da loja.

Detalhes do caso

Os assassinatos no Texas foram seguidos apenas 13 horas depois por outro tiroteio em massa em Dayton, Ohio, onde um homem armado matou nove pessoas em menos de um minuto e feriu outras 27 no centro histórico da cidade antes de ser morto pela polícia.

‘Barbarismo xenófobo’

O Crusius vem de Allen, um subúrbio de Dallas, a 1.046 km a leste de El Paso, que fica ao longo do Rio Grande, em frente à fronteira dos EUA com o México, a partir de Ciudad Juarez.

Um comunicado de quatro páginas postado em um fórum online, que se acredita ter sido escrito pelo suspeito antes do ataque, o chamou de “uma resposta à invasão hispânica do Texas”.

O condado de El Paso é mais de 80 por cento latino, de acordo com os dados mais recentes do censo. Dezenas de milhares de mexicanos atravessam legalmente a fronteira todos os dias para trabalhar e fazer compras na cidade.

O presidente do México, Andres Manuel López Obrador, disse que seis cidadãos mexicanos estão entre as 20 pessoas mortas no tiroteio, e outras nove estão entre as 26 vítimas que ficaram feridas.

Marcelo Ebrard, ministro das Relações Exteriores do país, disse que o México tomará medidas legais “no marco do direito internacional”.

Análise: Por que os americanos são resistentes a mudanças na lei de armas? (04:36)
“O presidente me instruiu a garantir que a indignação do México se traduza em … ações legais eficientes, rápidas e eficazes para que o México assuma um papel e exija que sejam estabelecidas condições que protejam … os mexicanos nos Estados Unidos”, disse Ebrard. disse em um vídeo postado no Twitter.

Jesus Seade, vice-ministro das Relações Exteriores do México para a América do Norte, condenou o ataque e pediu o fim da retórica que incita à “barbárie xenófoba”.

“O mundo moderno não pode permitir tais atos de BARBARISMO XENÓFOBICO, que não acontecem no vácuo. CESSA completamente a RETÓRICA que os incita”, escreveu ele.

A retórica de Trump

Mais cedo no Twitter, o presidente dos EUA, Donald Trump, se referiu ao tiroteio como “um ato de covardia”.

“Eu sei que estou com todos neste país para condenar o ato odioso de hoje. Não há razões ou desculpas que justifiquem a morte de pessoas inocentes”, disse ele.

Candidatos à presidência democrata tentaram culpar Trump pelo tiroteio de El Paso, dizendo que sua linguagem contra minorias promoveu divisão racial e violência.

Cory Brooker, senador por Nova Jersey, disse no “State of the Union” da CNN que Trump era “responsável porque está alimentando medos, ódio e fanatismo”. Beto O’Rourke, um ex-congressista de El Paso, disse acreditar que Trump era um nacionalista branco que estava “encorajando mais racismo neste país”.

O chefe do Estado-Maior interino da Casa Branca, Mick Mulvaney, refutou as alegações dos democratas, no entanto.

Mulvaney chamou os recentes tiroteios de uma “dificuldade” enfrentada pelos EUA que “antecede essa administração por muitos e muitos anos”.

Ele disse que deve haver alguma discussão pública sobre as leis de armas, bem como o papel das mídias sociais, mas ressaltou que os atiradores em El Paso e Dayton são pessoas “doentes” e que “nenhum político é culpado por isso”.

Estes foram os 250 e 251 massacres em massa este ano nos EUA, de acordo com o Gun Violence Archive, uma ONG. Ele define um tiroteio em massa como um incidente em que pelo menos quatro pessoas são feridas ou mortas em um tiroteio.

Fonte:Al Jazeera

Ministro das Relações Exteriores do Irã diz que sanções estadunidenses são “fracassos” para a diplomacia 0 220

Ministro das Relações Exteriores do Irã diz que sanções estadunidenses são "fracassos" para a diplomacia 6

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, criticou a decisão dos Estados Unidos de impor sanções a ele, chamando a medida de “fracasso” da diplomacia.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

A visão do chanceler iraniano sobre as sanções estadunidenses

Ministro das Relações Exteriores do Irã diz que sanções estadunidenses são "fracassos" para a diplomacia 7

Falando em uma coletiva de imprensa em Teerã na segunda-feira, Zarif lamentou que, apesar de suas chamadas para conversas, os EUA não estavam interessados ​​em diplomacia para resolver o impasse nuclear.

“Impor sanções contra um ministro das Relações Exteriores significa fracasso [em qualquer esforço nas negociações]”, disse Zarif, acrescentando que isso também significa que o lado que impõe as medidas é “negociações opostas”.

As sanções

Na quarta-feira, o Departamento do Tesouro dos EUA disse estar impondo sanções a Zarif por agir em nome do líder supremo iraniano Ali Hosseini Khamenei – que também está sujeito a sanções impostas recentemente pelos Estados Unidos.

Teerã e Washington estão presos em uma batalha de nervos desde maio de 2018, quando o presidente Donald Trump se retirou de um acordo histórico de 2015, colocando limites ao programa nuclear iraniano.

Desde então, ele reimplantou a punição de sanções ao Irã, incluindo medidas destinadas a reduzir suas exportações de petróleo a zero, como parte de uma campanha destinada a pressionar Teerã a negociar um novo acordo nuclear.

Questionado sobre relatos de que ele havia sido convidado para encontrar Trump na Casa Branca, Zarif disse que recusou a oferta apesar da ameaça de sanções.

“Disseram-me em Nova York que seria sancionada em duas semanas, a menos que eu aceitasse a oferta, que felizmente não aceitei”, disse o ministro iraniano.

A conferência de imprensa de Zarif aconteceu um dia depois de o Irã anunciar que suas forças haviam apreendido um navio estrangeiro no Golfo, suspeito de transportar combustível contrabandeado.

Foi a terceira apreensão de um navio pela Guarda Revolucionária nas últimas semanas e a mais recente demonstração de força pela força paramilitar em meio ao aumento das tensões.

Navios detidos

A imprensa iraniana informou que sete tripulantes foram detidos quando o navio foi apreendido na quarta-feira com “combustível contrabandeado” do Irã, mas não forneceu detalhes sobre a embarcação ou a nacionalidade da tripulação.

Em 18 de julho, os guardas disseram que haviam detido o MT Riah, de bandeira do Panamá, por supostos contrabando de combustível.

Um dia depois, eles anunciaram que haviam apreendido a Stena Impero, de bandeira britânica, no Estreito de Ormuz, por violar “regras marítimas internacionais”.

Em resposta a tais incidentes, os EUA têm procurado formar uma coalizão cuja missão é garantir a liberdade de navegação no Golfo.

Mas Zarif disse que Washington não conseguiu reunir apoio suficiente para a iniciativa.

“Hoje, os Estados Unidos estão sozinhos no mundo e não podem criar uma coalizão. Os países que são seus amigos têm vergonha de estar em uma coalizão com eles”, disse ele, referindo-se a relatos de que alguns países, incluindo a Alemanha, se recusaram a participar. participar da missão.

“Eles trouxeram essa situação para si mesmos, com a violação da lei, criando tensões e crises.”

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, reiterou que a Alemanha não se uniria à missão naval liderada pelos Estados Unidos no Estreito de Ormuz, acrescentando que Berlim favorecia uma missão européia, mas advertiu que é difícil fazer progressos nesse sentido.

“No momento, os britânicos preferem participar de uma missão americana. Não faremos isso”, disse Maas a repórteres.

Em junho, o Irã derrubou um drone de vigilância americano na passagem estratégica.

Trump chegou perto de retaliar, mas disse que ele cancelou um ataque aéreo no último momento. Washington afirmou que um navio de guerra americano derrubou um drone iraniano no estreito. O Irã nega perder qualquer aeronave na área.

Zarif, no entanto, não descartou conversas no futuro.

“Na minha opinião, as negociações e a diplomacia nunca vão acabar. A negociação sempre esteve e sempre estará na minha agenda. Mesmo em tempos de guerra, as negociações existirão.”

Fonte:Al Jazeera

Most Popular Topics

Editor Picks