Skip to content

Para poder lutar torneios de boxe masculino, Tatyana Dvazhdova se fingia de homem

10 de março de 2020

Um caso bem curioso aconteceu na Rússia. Uma mulher russa chamada Tatyana Dvazhdova após descobrir seu talento em brigas de rua, decidiu iniciar sua carreira no boxe com seus 16 anos.

O curioso é que ela não se inscreveu como mulher, mas passou a adotar um “disfarce” para que pudesse competir com homens, já que o esporte é dominado praticamente pelo sexo masculino, principalmente em um país como a Rússia.

Após provar que mulheres são tão competentes quanto homens no boxe, ela resolveu assumir sua verdadeira identidade aos seus 22 anos, após realizar diversas lutas contra atletas masculinos.

Quarentena italiana cria desespero na população e também na economia.

Disfarce de sucesso

Tatyana é moradora de São Petersburgo na Rússia. Ela acabou falsificando uma identidade e usava o nome de Vladmir Ermolaev. Para dar mais ênfase em seu disfarce, deixou de depilar as pernas e passou a usar ataduras para comprimir seus seios.

Seus treinos de musculação também davam formas mais “masculinas” aos seus braços e outras áreas do corpo.

Para não estragar a identidade secreta, ela evitava falar com seus oponentes e tão pouco ter amizades neste meio. Todos os caras que ela venceu não sabiam que ela era mulher. Ela deu um depoimento para o site “Unilad”, contando toda a sua história e carreira de sucesso.

Ela disse que já disputou 17 lutas disfarçada e venceu grande parte dos homens que enfrentou.

A verdade

Mas ela acabou se cansando de ter essa vida dupla e guardar este segredo. Além de revelar sua identidade e começar a mostrar sua força de liberdade, já fez a sua primeira inscrição como mulher em um torneio russo de boxe masculino.

Antes de cabelo curto e com porte mais masculino, agora Tatyana está deixando seu cabelo crescer e vem se trajando de forma mais feminina antes de colocar o uniforme de treino e estar nos locais das lutas.

O torneio deverá ser disputado em setembro. A inscrição foi feita, porém os membros da organização ainda estão analisando o caso. O fato de ter vencido homens ao longo da carreira deve pesar na hora de definir se ela tem ou não o direito a estar entre os classificados.