Skip to content

Carta com mensagem terrorista é deixada em Universidade do Sul

22 de março de 2019

Uma carta anônima deixa em um dos banheiros da UEPG – Universidade Estadual de Ponta Grossa, está apavorando alunos, pais e professores. No texto há ameaças que remetem ao atentado ocorrido no colégio em Suzano, em São Paulo.

Após o ocorrido, os diretores da Universidade e a Polícia se manisfestaram sobre a carta. Um estudante foi quem encontrou a carta com as ameaças, em cima de um porta sabonete, dentro do banheiro da universidade. Após encontrar a carta, o aluno divulgou a foto em um grupo formado por colega da universidade. A imagem acabou sendo compartilhada com outros grupos e se espalhou por toda a cidade, causando um grande pânico.

Mesmo com o medo de pais e alunos, a UEPG optou por não suspender as atividades escolares. Segundo o reitor novas medidas de segurança foram instauradas no campus. Imagens de uma câmera de segurança próximo ao local, poderão identificar o autor da carta deixada no banheiro.

Uma coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (21), reuniu equipes da polícia civil e militar, para comentar o caso. Segundo o Capitão Moreira, a PM está com equipes espalhadas em pontos estratégicos para monitorar toda a região.

Participaram também o reitor da UEPG, professor Miguel Sanches Neto, o vice-reitor da UEPG e o professor Everson Krum.

A UEPG divulgou uma nota oficial na rede social sobre o ocorrido:

“Sobre a mensagem que está circulando nas redes sociais e grupos de Whatsapp, em que há ameaça à segurança dos alunos e professores da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), a instituição esclarece:

O bilhete foi encontrado em um dos banheiros do campus Uvaranas. Para investigar o caso, a UEPG solicitou o reforço da vigilância interna e acionou os órgãos de segurança externos. A Polícia Civil enviou dois investigadores que estão trabalhando no caso. As câmeras de segurança estão sendo analisadas para confirmar o fato e identificar a autoria. Há carros da polícia e agentes de segurança interna fazendo vistorias no Campus neste momento.
Reitera-se que ameaças semelhantes já foram registradas em outras universidades brasileiras e estão sob investigação dos órgãos competentes.

O reitor, professor Miguel Sanches Neto, pede calma à comunidade acadêmica e agradece o pronto atendimento dos agentes universitários, Polícia Civil e Militar.”