30 mil prisioneiros sao libertos na indonesia

Indonésia deve libertar 30 mil criminosos para evitar o aumento do Covid-19 nas prisões

Diversos governos do mundo todo estão tendo que liberar faixas de riscos dentro das prisões, pois a aglomeração facilita a propagação do novo coronavírus Sars-Cov-2 (Covid-19).

E nesta terça-feira (31/03) o governo da Indonésia anunciou que irá libertar 30 mil prisioneiros em uma tentativa de evitar o aumento nas infecções por coronavírus nas prisões superlotadas do país.

Ficou definido que prisioneiros adultos no país do sudeste asiático estarão sob liberdade condicional, desde que tenham cumprido dois terços de suas sentenças. Presos mais jovens só poderão sair para cumprir este regime, se tiverem completado ao menos metade do período pré-determinado.

Isso faz com que ao menos 30 mil presos da Indonésia sigam para fora dos presídios nos próximos dias.

Mais um evento esportivo é cancelado, o Torneio de Wimbledon.

Decisão sensata

A decisão foi bem vinda e seguem as mesmas medidas estabelecidas pelos Estados Unidos. Essa será uma tentativa de conter a propagação acelerada do Covid-19 nas prisões. Há uma falta de saneamento e outros fatores que acabam contribuindo para que todos fiquem mais vulneráveis à propagação de doenças dentro dos presídios.

O documento foi aprovado e emitido pelo Ministério da Lei e Direitos Humanos da Indonésia. O porta-voz, Bambang Wiyono, informou que esta é uma emergência nacional de saúde pública.

Na indonésia já foram 1414 infectados, com 122 mortes por coronavírus. A taxa de letalidade está bem alta por lá, se compararmos com o Brasil, o país tem mais de 4 mil casos confirmados e menos de 200 mortes.

Mas autoridades acreditam que os números por lá são bem mais altos por faltam testes para definir a escalada do surto.

Prisioneiros

Hoje existem mais de 270 mil presos na Indonésia, número que é bem mais que o dobro da capacidade prisional do país. O país vive um momento de guerra às drogas e muita gente acabou sendo preso em decorrência disso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *