Primeira mulher a pisar em Marte pode ser Alyssa Carson 0 268

Alyssa Carson primeira mulher em marte

A primeira mulher que pode pisar em Marte já tem nome, é Alyssa Carson. A jovem americana de 18 anos é uma das fortes candidatas a explorar pessoalmente o planeta vermelho através do programa espacial da NASA.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Ela é uma das mais jovens a obter o treinamento e certificação para realizar experiências espaciais. Ela que esteve recentemente no Brasil, disse que já está se preparando para realizar seu maior sonho, pisar em Marte até 2033.

Innovation Lab

A jovem americana veio palestrar no evento de conhecimento Experience Club, através do Innovation Lab. Durante seu discurso ela disse que já está realizando seu planejamento a longo prazo e que o seu interesse pelo espaço veio de forma natural, já que ninguém da família é do meio científico.

Ela conta que aos 15 anos já iniciou a dedicação ao seu sonho. Durante as férias de verão ela participou de acampamentos científicos. Depois aos 16 já era formada na Advanced Space Academy, um importante programa de treinamento da Nasa para astronautas.

Então ao chegar em 2019 com 18 anos, ela está dedicando seus dias a construir um currículo que seja capaz de entrar no programa de treinamento oficial da Nasa. Ela vem estudando astrobiologia na Florida Institute of Technology.

Seu objetivo principal de vida é integrar a missão para o Planeta Vermelho, que está sendo projetada pela Nasa e que deve acontecer até 2033. A viagem e a missão devem durar cerca de 3 anos e este será um grande passo para a humanidade, assim como pouso na lua.

Dedicação para chegar em Marte

Se preparar para a missão em Marte é um dos pontos mais difíceis segundo Alyssa Carsson. Ela disse que é preciso ter um currículo muito forte, com uma graduação exemplar em STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática), além de muita experiência no ramo.

Hoje ela se dedica a horas de treino através do projeto PoSSUM, onde é responsável por estudar camadas superiores da atmosfera de Marte e também algumas pesquisas astronáutica.

Mas o sonho de Alyssa não é fácil, pois além dos estudos, a concorrência para participar de um dos programas da Nasa é extremamente acirrada. Hoje já são mais de 18 mil inscritos e o programa deve escolher apenas 12 deles.

A jovem se diz preocupada com o exame físico, onde além do preparo, a Nasa irá avaliar todos os danos que uma viagem espacial poderá causar ao seu corpo. Hoje grande parte dos candidatos contam com vivências na área militar. Mas é bem provável que ao longo dos próximos anos a prioridade seja treinar cientistas, que deverão coletar dados sobre o planeta vermelho e o seu meio ambiente.

Pele humana será fabricada em laboratório brasileiro.

Possível colonização de Marte

Todos os estudos tem como objetivo entender melhor como irá funcionar uma possível colonização de Marte.

Alyssa explica que a viagem de ida deve durar ao menos 6 meses. Depois o tempo de permanência no planeta vermelho deverá ser de 18 meses e o retorno mais nove meses. Mas nesta primeira viagem, o objetivo principal deverá ser entender como funciona o meio ambiente e trazer o máximo de informações possíveis de volta para a Terra.

Ela disse que se fosse necessário ficar para sempre por lá, não teria problema nenhum, pois se trata de um projeto muito maior do que ela.

Previous ArticleNext Article
Jornalista pós-graduado em mídia e redes sociais e jornalismo com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Milícia Iraquiana ameaça Estados Unidos após ataque neste domingo 0 85

forca aerea americana bombardeia milia iraquiana

Os Estados Unidos realizaram ataques aéreos contra uma área em que se encontrava um grupo do Kataib Hezbollah, que são apoiados pelo Irã. Os ataques aconteceram neste domingo (29/12) e logo depois a milícia iraquiana se manifestou sobre o caso e informou que haverá dura reação contra os militares americanos no país.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Os aviões dos EUA atingiram regiões do Iraque e também da Síria, onde acabaram matando ao menos 25 integrantes do grupo que é publicamente apoiado pelo Irã. Estados Unidos e Irã vem vivendo uma guerra nos últimos meses, onde o último a tomar uma atitude mais drástica, foi o Irã quando derrubou um drone americano de milhares de dólares.

Outro motivo recente dos Estados Unidos ter realizado este ataque no domingo, foi a morte de um dos prestadores de serviços civil norte-americano. Ele foi morto logo após um ataque contra a base militar iraquiana na região.

Taj Mahal é evitado por turistas por conta de protestos na Índia.

Mortos e feridos

Segundo as fontes locais, ao menos 25 morreram e outros 55 estão feridos. No total foram três ataques aéreos na região.

O comandante sênior, Jamal Jaafar Ibrahimi, que é conhecido na região como Abu Mahdi al-Mohandes, disse que o sangue dos milicianos não será em vão. Eles prometeram uma reação dura contra as forças americanas no Iraque.

Jamal é o responsável pelas Forças de Mobilização Popular do Iraque (PMF), um grupo de paramilitares que contam com integrantes principalmente das milícias xiitas que são apoiadas pelo Irã. O grupo foi inclusive recentemente integrado às Forças Armadas Iraquianas.

O governo do Irã também se manifestou e disse que os bombardeios feito pelos Estados Unidos são classificados como “terrorismo”.

Estados Unidos

Nesta segunda-feira (30/12), os Estados Unidos reforçou a segurança em Nívive, uma região localizada ao norte do Iraque. Há diversos jatos liderados por Washington, garantindo a segurança do perímetro das bases militares localizadas em Qayarah e Mosul.

Taj Mahal é evitado por turistas por conta de protestos na Índia 0 106

taj mahal deve ser evitado por turistas

A Índia vem vivendo dias tenebrosos por conta dos protestos violentos que vem acontecendo em diversos pontos do país. O motivo de tais protestos é em razão da nova lei de cidadania, onde a grande maioria da população não vem aceitando bem as mudanças.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

E por este motivo, milhares de turistas vem evitando o Taj Mahal e diversos outros pontos turísticos da Índia. Muitos estão desistindo das viagens e há países que estão emitindo alertas para que os seus cidadãos não façam viagens para a principais cidades da região.

Cancelamentos

Mais de 200 mil turistas internacionais e também da própria Índia cancelaram ou adiaram as suas viagens nos últimos dias. O principal afetado é justamente uma das atrações turísticas mais populares do mundo, o Taj Mahal.

Cerca de 60% menos turistas visitaram a região em dezembro. É um número muito discrepante em relação a dezembro de 2018.

O Taj Mahal que data do século 17, fica em Uttar Pradesh, um estado ao norte da Índia, onde o número de mortes e explosões violentas por conta dos protestos, foi o maior.

A lindíssima construção de mármore é responsável por atrair cerca de 6,5 milhões de turistas todos os anos. Mais de 14 milhões de dólares são gerados para a economia local, só com ingressos. Quem for visitar o monumento, paga cerca de 15 dólares para entrar (1.100 rúpias).

A Índia já vive um momento de desaceleração da economia, onde o crescimento ficou em 4,5% o menor dos últimos seis anos. E segundo donos de hotéis e pousadas de luxo próximos ao Taj Mahal, o cancelamento na última hora neste período de festas, tem minado ainda mais o crescimento econômico da região.

Irã bloqueia internet do país para evitar novos protestos.

Protestos

Pelo menos 25 pessoas morreram durante os protestos. Policiais e manifestantes se enfrentam nas ruas, por conta da mudança na lei de cidadania.

Estados Unidos, Reino Unido, Rússia, Israel, Singapura, Canadá e Taiwan estão emitindo alertas para que seus cidadãos evitem visitar as mais variadas regiões da Índia por conta da onda de protestos.

Most Popular Topics

Editor Picks