Coreia do Norte alerta EUA sobre navio de Pyongyang apreendido, durante conferência da ONU 0 106

coreia do norte alerta eua sobre navio de pyongyang apreendido

A Coréia do Norte intensificou sua campanha na terça-feira para que os Estados Unidos devolvessem um navio de carga apreendido pertencente a Pyongyang, advertindo Washington de que havia violado sua soberania em um movimento que poderia afetar “futuros desenvolvimentos” entre os países. Em outras palavras, Coreia do Norte alerta EUA sobre navio de Pyongyang apreendido, durante plena conferência da ONU.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia também:

Coreia do Norte alerta EUA sobre navio de Pyongyang apreendido

O embaixador da Coréia do Norte na ONU, Kim Song, realizou uma rara conferência de imprensa na Organização das Nações Unidas em Nova York para exigir o retorno imediato do navio. A Coreia do Norte EUA alerta sobre navio de Pyongyang apreendido.

“Os Estados Unidos deveriam deliberar e pensar sobre as conseqüências que seu ato ultrajante poderia ter nos desenvolvimentos futuros. Além disso, os Estados Unidos devem devolver o nosso cargueiro sem demora ”, disse Kim. Assim que a Coreia do Norte alerta EUA sobre navio de Pyogyang apreendido, ele emenda: “Nós consideramos isso como parte de nosso território, onde nossa soberania é exercida plenamente.”

Ele disse que a apreensão do navio, conhecido como o “sábio sábio”, desafiou o espírito de uma declaração do presidente norte-americano Donald Trump e do líder norte-coreano Kim Jong Un depois de sua primeira reunião em Singapura em junho de 2018. Eles prometeram construir novos laços entre seus países e trabalhar para a desnuclearização da Coréia do Norte.

Dessa forma, assim que a Coreia do Norte alerta EUA sobre navio de Pyongyang apreendido, fica a tensão desse fato comprometer os acordos envolvendo a desnuclearização.

O navio apreendido

coreia do norte alerta eua sobre navio de pyongyang apreendido
Reprodução/REUTERS

O Departamento de Justiça dos EUA disse no início deste mês que o navio foi apreendido e apreendido na Samoa Americana. O navio foi detido pela primeira vez pela Indonésia em abril de 2018.

Um segundo encontro entre Trump e Kim Jong Un, em Hanói, foi encerrado em fevereiro. Com as negociações sobre a desnuclearização estagnadas, a Coreia do Norte avançou com mais testes de armas este mês. Os testes foram vistos como um protesto de Kim Jong Un depois que Trump rejeitou seus pedidos por sanção de sanções na cúpula de Hanói.

O Conselho de Segurança da ONU reforçou por unanimidade as sanções contra a Coréia do Norte desde 2006 em uma tentativa de bloquear o financiamento dos programas nucleares e de mísseis balísticos de Pyongyang, proibindo exportações de carvão, ferro, chumbo, têxteis e frutos do mar e limitando as importações de petróleo bruto e produtos petrolíferos refinados. .

“Vamos observar cuidadosamente cada movimento dos Estados Unidos”, disse Kim, quando a Coreia do Norte alerta EUA sobre navio de Pyongyang apreendido.

Kim escreveu ao secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, na quinta-feira, para pedir que ele tomasse “medidas urgentes” sobre o assunto. O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse na terça-feira que a carta foi recebida.

“Estamos dando uma olhada nisso. A questão das sanções, a implementação de sanções, a interpretação de sanções, é realmente uma questão para o Conselho de Segurança da ONU decidir e discutir ”, disse ele.

Fonte:REUTERS.

Previous ArticleNext Article
Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Palestinos afirmam que “acordo do século” proposto pelos EUA quer acabar com a causa palestina 0 60

eua quer acabar com a causa palestina 2

O projeto norte-americano para acabar com o conflito entre Israel e os palestinos, ainda em fase de projeto depois de quase dois anos, é visto pelos palestinos e por algumas autoridades e políticos árabes que o plano dos EUA quer acabar com a causa palestina.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia também:

“Acordo do século” dos EUA quer acabar com a causa palestina, segundo a opinião dos palestinos

eua quer acabar com a causa palestina 2

A iniciativa, conduzida por Jared Kushner, genro de Donald Trump e consultor da Casa Branca, foi anunciada pelo presidente dos EUA como o “acordo do século”. Pelos palestinos, contudo, é encarado como os EUA quer acabar com a causa palestina.

Embora seus contornos precisos ainda não tenham sido revelados, fontes palestinas e árabes que foram informadas sobre o esboço do plano dizem que Kushner descartou a solução de dois Estados – a fórmula americana e internacional de longa data que prevê um estado palestino independente ao lado de Israel. Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Gaza.

Depois de vários adiamentos, Washington planeja uma primeira apresentação formal dos componentes econômicos do plano em um workshop “Paz para a Prosperidade”, em junho, no Bahrein.

O plano enfrenta possíveis atrasos devido à agitação política em Israel, onde o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deve lutar contra outra eleição após não formar um governo.

Kushner e Trump, com formação em imóveis e não em diplomacia, parecem estar se aproximando desse conflito insolúvel como transação, disseram três autoridades árabes informadas sobre o plano.

Os objetivos dos EUA e a situação palestina

Se a política continuar fracassando, o raciocínio parece ser, então tente pendurar dezenas de bilhões de dólares antes dos palestinos e dos vizinhos árabes de Israel – e fazer um acordo que possa liberar prosperidade para os palestinos e segurança para Israel, disseram essas autoridades.

Politicamente, o acordo prevê uma expansão de Gaza para parte do norte do Egito, sob controle do Egito, disseram autoridades palestinas informadas sobre o plano à Reuters. Os palestinos ficariam com uma parcela menor da Cisjordânia e algumas áreas nos arredores de Jerusalém e nenhum controle sobre suas fronteiras. Fontes ocidentais e árabes confirmaram o esboço do plano.

Jason Greenblatt, enviado do Oriente Médio de Trump, disse que “rumores” sobre uma expansão para o deserto do Egito no Sinai eram falsos. Ele se recusou a dar detalhes do plano político antes de ser divulgado.

Sobre a decisão de não usar o termo “solução de dois estados”, Grenblatt disse: “Acreditamos que o uso de certas frases e rótulos não é útil porque lhes faltam detalhes e nuances – eles significam coisas diferentes para pessoas diferentes. O plano detalhado, uma vez divulgado, mostrará o que achamos ser a melhor solução para as duas partes ”.

Os palestinos não estão convencidos    

“O que estamos vendo no plano é que isso explodirá os palestinos”, disse uma autoridade árabe à Reuters. “O plano não dá justiça aos palestinos.” Na visão deles, o plano almejado pelos EUA quer acabar com a causa palestina.

“A causa palestina está sendo liquidada – não há Jerusalém (como capital), nenhum direito de retorno para os refugiados, nenhum estado soberano. É por isso que esse projeto americano é perigoso ”, disse um líder palestino à Reuters.

O acordo dos EUA quer acabar com a causa palestina e até agora foi rejeitado pela Autoridade Palestina, apoiada pelo presidente Mahmoud Abbas, na Cisjordânia ocupada por Israel.

Abbas boicotou negociações políticas com o governo Trump por 18 meses. Isso seguiu as decisões de Trump em 2017 para reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e transferir a embaixada dos EUA de Tel Aviv.

Desde então, o governo Trump reduziu a ajuda à Autoridade Palestina, fechou a delegação da Organização de Libertação da Palestina (OLP) em Washington e cortou o financiamento para a UNRWA, a agência da ONU que apoia os refugiados palestinos. Enquanto isso, Washington endossou a soberania de Israel sobre as colinas de Golan.

“Na prática, eles já começaram a implementar ‘o acordo do século’”, disse o líder palestino, “no terreno, passo a passo”. “Hoje, a solução de dois estados foi afundada”.

Abbas não está sozinho em sua visão do acordo americano.

Foi rejeitado pelo movimento islamista Hamas, que não reconhece o direito de Israel a existir e só deu consentimento condicional a um estado nos territórios palestinos ocupados.

As ações da OLP

A OLP rejeitou o esforço de Kushner como uma tentativa de subornar os palestinos para aceitar a ocupação israelense da Cisjordânia, um prelúdio para Israel anexar cerca de metade de seu território e deixá-los com cantões dispersos.

Hanan Ashrawi, um moderado líder palestino, twittou que o plano de Kushner e a conferência do Bahrein eram apenas “um folheto para tornar nosso cativeiro palatável”.

Empresários palestinos se opuseram ao encontro no Bahrein, apesar de um apelo de Washington para comparecer, dizendo que suas demandas políticas devem ser abordadas em qualquer plano de paz.

O Catar disse que a prosperidade econômica não pode ser alcançada sem soluções políticas aceitáveis ​​para os palestinos. Omã disse que qualquer coisa que impeça o estabelecimento de um estado palestino não será aceitável.

“Não estamos propondo uma paz econômica”, disse Greenblatt. “Sabemos que isso não é aceitável para os palestinos. Temos sido muito claros que o plano completo inclui também um componente político. Mas o plano econômico é um componente essencial para o plano completo ”.

Tsunami em El Salvador! População em alerta 0 58

Tsunami em El Salvador! População em alerta 3

Quinta-feira (30/05) está sendo marcada por desastres naturais nas Américas. No Brasil diversas regiões, principalmente no sul do país amanheceram sob fortes tempestades, colocando toda a população em estado de alerta.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Já na América Central, a região de El Salvador amanheceu a quinta-feira sob um terremoto de 6.6 graus de magnitude, levando as autoridades da região a emitirem um alerta de emergência sobre um eventual risco de tsunami.

O terremoto ocorreu por toda a costa do Pacífico. O Instituto de Geofísica Americano (USGS, sigla em inglês), informou que o epicentro do terremoto ocorreu a 40 quilômetros sentido sul da capital do país, San Salvador. A cidade mais próxima a sentir os efeitos do terremoto foi La Libertad, estando a apenas 27 quilômetros do tremor.

Tsunami em El Salvador

O alerta de Tsunami foi emitido pelas autoridades do Meio Ambiente de El Salvador, através de sua conta oficial no Twitter. O Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais, publicou a seguinte mensagem às 6hs desta manhã:

“Sismo Mag. 6.6 ocurrido a las 3:03 hora local. PTWC emite advertencia de Tsunami para El Salvador.”

Tsunami em El Salvador! População em alerta 4

A indicação das autoridades é que todas as famílias busquem um local seguro e fiquem longe de potenciais regiões de quedas de árvores e descargas elétricas.

Most Popular Topics

Editor Picks