Skip to content

Hidroxicloroquina se esgota em farmácias pelo Brasil após fala de Trump

20 de março de 2020
hidroxicloroquina se esgota nas farmacias para tratar coronavirus

Em seu último discurso desta quinta-feira (19/03), o presidente americano, Donald Trump, disse que remédios a base de Hidroxicloroquina, pode ter efeitos bem promissores no combate ao coronavírus. Somente este pronunciamento foi motivo para que a droga se esgotasse em farmácias pelo Brasil.

A ANVISA já se pronunciou e disse que os remédios com esta composição contam com efeitos benéficos contra malária, reumatismo, inflamação nas articulações, lúpus e outros, mas nada conclusivo em relação ao COVID-19.

Diversos portadores destas outras enfermidades podem encontrar dificuldades para encontrar a medicação de agora pra frente. Muitas farmácias estão vendendo o medicamento mesmo sem receita ou prescrição médica. Ficando sem o medicamento, as doenças desta parte da população pode se agravar e eles podem ficar ainda mais em risco.

Japão mais próximo de lançar a vacina contra COVID-19 com base em FAVIPIRAVIR.

Há pessoas que vem fazendo apelos para que as farmácias não vendam sem receita médica, para que o medicamento não se torne escasso na grande maioria das regiões.

Porém a Hidroxicloroquina não exige receita para comprar e como é um remédio bem exclusivo, são poucas as caixas em estoque, o que leva ao esgotamento nas farmácias pelo Brasil.

Efeitos colaterais

O presidente americano só citou parte das informações sobre a cloroquina, mas não informou que há sim efeitos colaterais, principalmente na automedicação e que não há estudos para indicar em qual estágio do coronavírus o remédio teria algum efeito relevante.

A automedicação representa um grave risco para à saúde.

Estudos

No Brasil, Arthur Weintraub, acessor especial do presidente, disse que há um pequeno estudo sobre a droga, nada ainda conclusivo. A Cloroquina juntamente com a Azitromicina, um antibiótico, apresentou uma eficácia no tratamento segundo as primeiras avaliações.

Na França já realizaram um estudo clínico com essa combinação em 20 pacientes e realmente houve uma redução na carga viral dos enfermos, mas por ser um número pequeno de “cobaias”, a eficácia tem resultado limitado, não indicando a evolução clínica.

Mas no caso do estudo francês, o vírus desapareceu no período de 6 dias.

Até o momento o remédio com maior eficácia no tratamento é o Favipiravir, que foi desenvolvido no Japão e em um breve estudo, mostrou resultados significativos em 340 pacientes. A China deve em breve publicar um estudo detalhado do uso do favipiravir.