Polícia francesa reprime manifestações no Dia da Bastilha 0 168

Polícia francesa reprime manifestações no Dia da Bastilha 1

A polícia francesa disparou gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes da avenida Champs Elysees no domingo, algumas horas depois de o presidente Emmanuel Macron ter presidido a parada militar do Dia da Bastilha junto com outros líderes europeus.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Os protestos no Dia da Bastilha

A avenida no centro de Paris foi reaberta ao tráfego assim que o desfile terminou, mas algumas centenas de manifestantes do movimento “coletes amarelos” tentaram ocupá-la.

A televisão francesa da BFM mostrou imagens de policiais jogando gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes, alguns encapuzados, que tentavam bloquear a estrada com barricadas de metal, latas de lixo e outros destroços.

Vários golpes altos foram ouvidos. Os manifestantes jogaram objetos na polícia, vaiaram e atearam fogo a uma lixeira.

Mais cedo, uma fonte da polícia e da justiça francesa disse que cerca de 152 manifestantes dos “coletes amarelos” e seus líderes foram presos perto dos Champs-Elysées enquanto tentavam organizar um protesto.

Dia da Bastilha

A Tomada da Bastilha (em francês: Prise de la Bastille), também conhecida como Queda da Bastilha, foi um evento central da Revolução Francesa, ocorrido em 14 de julho de 1789. Embora a Bastilha, fortaleza medieval utilizada como prisão, contivesse apenas sete prisioneiros na época, sua queda é tida como um dos símbolos daquela revolução, e tornou-se um ícone da República Francesa.

Na França, o quatorze juillet (14 de julho) é um feriado nacional, conhecido formalmente como Festa da Federação, conhecido também como Dia da Bastilha em outros idiomas. O evento provocou uma onda de reações em toda a França, assim como no resto da Europa, que se estendeu até a distante Rússia Imperial.

Fonte:Reuters Latin America

 

Previous ArticleNext Article
Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confrontos eclodem em protesto em Paris contra reforma da previdência 0 81

protestos contra reforma previdencia paris franca

Diversos manifestantes tomaram as ruas de Paris neste sábado (04/01) contra os planos de reforma da previdência que o governo francês está tentando implementar no país. A estação Gare du Nord e Gare de I’Est contou com a presença de muitos, onde houve a necessidade da polícia intervir para conter a multidão.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Diversos manifestantes e também ativistas dos “coletes amarelos”, conhecidos na região, acabaram colocando fogo em cestos de lixo e causavam alvoroço pela região. A polícia então atirou gás lacrimogêneo contra a multidão.

Parte da França vem sendo prejudicada com as greves nos transportes desde o último mês. Outra manifestação já está marcada para o dia 09 de janeiro.

Saque imediato do FGTS em 2020 não terá impacto do novo salário mínimo.

Comunicado de Macron

Emmanuel Macron fez um comunicado para a população, explicando o porque as reformas são necessárias. Segundo ele hoje o sistema de aposentadorias é muito complicado e que há uma necessidade de simplificar isso.

Porém os adversários políticos do atual presidente dizem para a grande massa da população que será necessário trabalhar muito mais tempo para conseguir se aposentar.

Manifestantes disseram:

“A população francesa precisa pensar um pouco sobre qual o tipo de sociedade elas querem, em um nível mais pessoal, caso você tenha 20, 30, 40 ou mais anos, um dia se aposentará. Caso este sistema seja aprovado como foi apresentado, a catástrofe social está garantida. Em reformas anteriores a população que se aposentou, está recebendo pensões baixíssimas.”

Milícia Iraquiana ameaça Estados Unidos após ataque neste domingo 0 90

forca aerea americana bombardeia milia iraquiana

Os Estados Unidos realizaram ataques aéreos contra uma área em que se encontrava um grupo do Kataib Hezbollah, que são apoiados pelo Irã. Os ataques aconteceram neste domingo (29/12) e logo depois a milícia iraquiana se manifestou sobre o caso e informou que haverá dura reação contra os militares americanos no país.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Os aviões dos EUA atingiram regiões do Iraque e também da Síria, onde acabaram matando ao menos 25 integrantes do grupo que é publicamente apoiado pelo Irã. Estados Unidos e Irã vem vivendo uma guerra nos últimos meses, onde o último a tomar uma atitude mais drástica, foi o Irã quando derrubou um drone americano de milhares de dólares.

Outro motivo recente dos Estados Unidos ter realizado este ataque no domingo, foi a morte de um dos prestadores de serviços civil norte-americano. Ele foi morto logo após um ataque contra a base militar iraquiana na região.

Taj Mahal é evitado por turistas por conta de protestos na Índia.

Mortos e feridos

Segundo as fontes locais, ao menos 25 morreram e outros 55 estão feridos. No total foram três ataques aéreos na região.

O comandante sênior, Jamal Jaafar Ibrahimi, que é conhecido na região como Abu Mahdi al-Mohandes, disse que o sangue dos milicianos não será em vão. Eles prometeram uma reação dura contra as forças americanas no Iraque.

Jamal é o responsável pelas Forças de Mobilização Popular do Iraque (PMF), um grupo de paramilitares que contam com integrantes principalmente das milícias xiitas que são apoiadas pelo Irã. O grupo foi inclusive recentemente integrado às Forças Armadas Iraquianas.

O governo do Irã também se manifestou e disse que os bombardeios feito pelos Estados Unidos são classificados como “terrorismo”.

Estados Unidos

Nesta segunda-feira (30/12), os Estados Unidos reforçou a segurança em Nívive, uma região localizada ao norte do Iraque. Há diversos jatos liderados por Washington, garantindo a segurança do perímetro das bases militares localizadas em Qayarah e Mosul.

Most Popular Topics

Editor Picks