Skip to content

Canal Ter.a.pia, no Youtube, apresenta pessoas reais contando histórias reais e emocionantes enquanto lavam a louça

2 de junho de 2019
canal ter.a.pia

A Internet tem muita coisa ruim e que não pode ser aproveitada. No entanto, por outro lado, ela é uma ferramenta incrível, que permite pessoas produzirem conteúdos sensacionais, que ajudam e acalentam os outros. O canal Ter.a.pia, no Youtube, é um exemplo bem evidente disso.

Leia também:

O canal Ter.a.pia

canal ter.a.pia
Reprodução/Facebook

Conforme consta na própria descrição do perfil da página do canal Ter.a.pia no Facebook, a proposta deles é a seguinte:

“O canal ter.a.pia nasceu porque gostamos de compartilhar experiências e, principalmente, gostamos de ouvir o que as outras pessoas têm para nos contar.

Neste espaço, pessoas reais contam histórias reais enquanto lavam louça.

Essas histórias são contadas na cozinha porque ali é um ambiente de troca. Quem conta reflete enquanto lava a louça e quem ouve se sente acolhido e íntimo.

Ter.a.pia é aquele jantar de família, aquele encontro de amigos que sempre acaba na cozinha com reflexões sobre a vida.”

Além do canal no Youtube, o Ter.a.pia possui um perfil no Instagram e até mesmo um grupo no WhatsApp.

O canal ter.a.pia disponibiliza ainda um e-mail. Todos esses veículos proporcionados por eles permitem que as pessoas mandem as suas histórias, que podem talvez serem contadas no Youtube e difundidas no Facebook e Instagram.

A ideia é bastante simples e ao mesmo tempo encantadora e interessante. Conforme enunciado por eles, eles convidam algumas pessoas, pessoas reais, a contarem suas histórias, igualmente reais, enquanto eles lavam a louça em suas casas.

Essas histórias mostram percursos de vida que foram complicados em alguns momentos, de quando as tais pessoas tiveram alguma dificuldade ou conflito e como elas encontraram uma solução viável para tal situação, conseguindo seguir em frente. Isso tudo sem idealizar ou romantizar nada. São histórias inspiradoras e que motivam, mas sem “firulas”, sempre com o pé na realidade, na vida como ela é.

Veja abaixo uma das histórias mais interessantes: