Skip to content

Goldman Sachs muda chamada de taxa de juros no Brasil

23 de junho de 2019

O Goldman Sachs alterou sua previsão para as taxas de juros brasileiras na quarta-feira, reduzindo sua taxa de juros Selic para a nova baixa de 5,50% em comparação com a previsão anterior de 6,50%.

Leia também:

A alteração na taxa de juros

Em nota aos clientes enviados logo após o banco central ter deixado a taxa Selic em seu atual nível recorde de 6,50%, Alberto Ramos, chefe de pesquisa latino-americana do Goldman, disse que o ciclo de corte de juros terá início em setembro com um recorde de 25%. ponto base, embora ele não tenha descartado um corte de 50 pontos-base em julho.

Ramos citou vários fatores por trás do novo chamado, incluindo uma economia doméstica persistentemente fraca, deterioração dos indicadores de confiança dos consumidores e dos negócios, inflação mais baixa e expectativas de inflação, e o dovish de quarta-feira da Reserva Federal dos EUA.

“Esperamos que a taxa Selic atinja um novo recorde de baixa de 5,5% até dezembro e permaneça nesse patamar ao longo de 2020”, escreveu Ramos, prevendo corte de 0,25 ponto percentual em setembro, meio ponto em outubro e outros 25 pontos-base. em dezembro.

O alívio da política de juros

Praticamente, a única coisa que impede o banco central de aliviar a política, ou pelo menos sinalizar que está pronta para aliviar, é a incerteza em torno da reforma previdenciária, como o comitê de definição de taxas do banco, conhecido como Copom, também aludiu em sua declaração na quarta-feira.

Mas se uma lei de reforma previdenciária sólida for aprovada na câmara baixa do Congresso antes da próxima reunião do Copom, de 30 a 31 de julho, então a porta estará aberta para o início do ciclo de corte de juros, disse Ramos.

Mais cedo na quarta-feira, o Copom deixou a taxa Selic em espera em 6,50%, como esperado.