Banco Central preza pela manutenção da taxa de juros 0 42

Banco Central preza pela manutenção da taxa de juros 1

O Banco Central do Brasil deixará sua taxa básica de juros inalterada nesta semana, de acordo com uma pesquisa da Reuters com economistas, mas o crescimento econômico cada vez mais fraco e as pressões inflacionárias sugerem que pode não demorar muito para que a política seja flexibilizada.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

As taxas do Banco Central

A taxa Selic do banco central está em baixa recorde de 6,50% há mais de um ano, e 18 dos 19 economistas entrevistados pela Reuters disseram que ainda estará lá depois que o comitê de políticas do banco, conhecido como “Copom”, se reunir em 18 de junho. 19

Um economista prevê um corte de taxa.

O viés de baixa está se formando rapidamente. A economia do Brasil está estagnada e pode até estar em recessão, a perspectiva global está se deteriorando e há sinais de que a inflação está voltando para a meta de 4,25% do banco central.

Dos 19 economistas entrevistados, treze disseram que a inclinação para as taxas no próximo ano é de queda, cinco disseram neutros e apenas um disse que está no topo.

Isso é muito mais do que a pesquisa anterior em maio, quando cinco dos quinze economistas disseram que o viés era descendente, nove eram neutros e um dizia positivo.

“A fraqueza da economia brasileira e a rápida queda da inflação significam que esperamos agora um corte nas taxas de juros, e acreditamos que há uma janela de oportunidade para o Copom atuar (nesta) reunião”, Edward Glossop, economista da América Latina na Capital Economics. escreveu em uma nota do cliente.

“Tudo dito, a reunião do Copom de quarta-feira será bem de perto, mas, no geral, achamos que um corte de 25 pontos-base (para 6,25%) é mais provável do que o contrário”, disse ele.

A previsão do Glossop é a mais agressiva na pesquisa, mas reflete a visão geral sobre a economia e o caminho para as taxas. Diversos economistas esperam que o Copom insira mais linguagem dovish em sua declaração de política, abrindo caminho para um eventual corte.

Grande parte do debate do Copom deve centrar-se em quão sérios os formuladores de políticas pensam que a atual desaceleração econômica é e como estão confiantes de que a inflação chegou ao máximo.

A economia encolheu no período de janeiro a março, sua primeira contração desde 2016. Os indicadores de abril e maio até agora mostraram pouco sinal de que as coisas mudaram muito, se é que sugerem, que a economia poderia estar tecnicamente em recessão.

O índice de atividade econômica IBC-Br mais recente do banco central pode ter desviado o equilíbrio para alguns membros do Copom. Mostrou que a atividade econômica caiu novamente em abril – o maior período de declínio da atividade desde a última recessão.

A economia do Brasil deve crescer menos de 1,0% este ano, segundo uma pesquisa do banco central divulgada na segunda-feira, enquanto os economistas cortaram suas projeções para a 16ª semana consecutiva em novas baixas e reduziram drasticamente suas perspectivas de taxa de juros.

Os mercados financeiros reduziram agressivamente suas visões de taxa de juros. Na quinta-feira, os contratos futuros de taxas de juros de 2020 caíram abaixo de 6,0% pela primeira vez, sugerindo que a taxa Selic será 50 pontos base mais baixa em cerca de 12 meses.

O desempenho da economia

Mesmo que contorne a recessão, a economia está com desempenho abaixo do esperado. A incerteza em torno da reforma previdenciária, a proposta do governo de 1.237 trilhões de reais (US $ 319 bilhões) para equilibrar os livros do Brasil e retomar o crescimento, também não está ajudando.

A inflação anual caiu para 4,66% em maio, de 4,92% em abril, a primeira queda neste ano, proporcionando algum alívio após quatro meses de alta.

Previous ArticleNext Article
Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil pede investigação da OMC sobre o comércio de aves na Indonésia 0 29

Brasil pede investigação da OMC sobre o comércio de aves na Indonésia 7

O governo brasileiro pediu formalmente à Organização Mundial do Comércio (OMC) a abertura de um painel para investigar as políticas indonésias sobre as exportações brasileiras de carne de frango, de acordo com as informações do Ministério da Agricultura nesta sexta-feira.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia também:

O processo brasileira contra a Indonésia na OMC

O Brasil ganhou um processo contra a Indonésia na OMC em 2017, mas o país sul-americano argumenta que a decisão da OMC nunca foi implementada pela Indonésia, que continua a bloquear as importações de frango de empresas brasileiras.

O Brasil não tem permissão para exportar aves para a Indonésia porque não possui uma certificação sanitária internacional que precisa ser emitida pelo governo do país islâmico.

Em um comunicado, o Ministério da Agricultura disse que uma equipe de inspetores da Indonésia visitou fábricas de processamento de carne no Brasil no ano passado, mas ainda não divulgou nenhuma documentação sobre as inspeções.

As regras da OMC

“Regras da OMC dizem que um país não pode adiar indefinidamente a emissão da autorização sanitária”, disse o ministério, acrescentando que o governo indonésio não identificou qualquer razão para não fazê-lo.

O Brasil, maior exportador de aves do mundo, disse que seu pedido de painel será avaliado pelo Órgão de Solução de Controvérsias da OMC em uma reunião marcada para 24 de junho.

Problemas dos EUA com o México afetam a moeda mexicana e brasileira 0 30

Problemas dos EUA com o México afetam a moeda mexicana e brasileira 8

O destino das duas principais moedas da América Latina tem contrastado tanto ultimamente que traders e analistas estão questionando se o real do Brasil pode continuar se recuperando enquanto o peso mexicano desliza.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia também:

O câmbio dos mercados emergentes

As duas moedas de mercados emergentes geralmente se movem juntas, mas as discussões sobre o comércio exterior, a política interna e os dados econômicos os separaram ultimamente.

Muitos no mercado estão apostando que voltarão na fila, mas alguns sugerem uma mudança subjacente nas visões dos investidores.

A ameaça do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em 30 de maio de impor tarifas ao México pode ter diminuído a balança para os gestores financeiros reduzirem a exposição mexicana em seus fundos na América Latina, segundo a estrategista sênior do Standard Chartered, Ilya Gofshteyn.

“Enquanto esperamos alguma recuperação de curto prazo nos ativos de risco mexicanos, acreditamos que este episódio injetou um prêmio de risco mais permanente na manutenção de ativos mexicanos”, disse ele a clientes em nota.

“Acreditamos que os investidores podem sair do peso mexicano e passar para o real brasileiro”.

O peso foi duramente atingido por um rebaixamento do rating de crédito, além das tensões comerciais dos EUA, enquanto o real se recuperou de uma baixa de oito meses na esperança de que o governo brasileiro possa aprovar uma proposta ambiciosa de reforma previdenciária no Congresso.

O peso caiu tanto quanto 5% nas últimas semanas – desde então, recuperou a maior parte do terreno desde que Trump disse na sexta-feira que um acordo foi fechado com o México, embora ele tenha revivido a ameaça se o México não atender às suas demandas. O real do Brasil fortaleceu cerca de 6% nas últimas três semanas.

Os gráficos a seguir mostram até que ponto os traders têm apostado de forma oposta nas duas moedas.

Os dois primeiros mostram a correlação simples de 30 dias entre as taxas de câmbio dólar / peso e dólar / real, uma sobreposta à taxa de câmbio do Brasil e outra com a do México. A correlação, quase sempre positiva, tornou-se negativa.

Desde suas respectivas crises e desvalorizações em meados da década de 1990, o peso e o real quase sempre foram positivamente correlacionados, subindo ou descendo juntos.

A correlação média foi de +0,5 nos últimos cinco anos, +0,52 na última década e +0,48 nos últimos 20 anos.

Uma correlação de 1,0 é a correlação positiva mais forte possível e -1,0 a correlação negativa mais forte. Houve apenas sete correlações negativas nos últimos 20 anos antes da atual. Todos duraram apenas alguns dias ou semanas.

Quatro marcaram o início ou a reversão de tendências importantes para os anos reais, às vezes duradouros. Por exemplo, depois de dezembro de 1999, o real embarcou em um rally super-carregado que o levou acima de 4,00 por dólar em outubro de 2002, enquanto dezembro de 2015 marcou o fim de um surto similar que durou mais de quatro anos.

Apenas um período de correlação negativa entre as duas moedas resultou em um movimento similar no peso. Isso foi em janeiro de 2017, quando o dólar / peso recuou 20% nos seis meses seguintes de seu recorde acima das 22,00.

Os mercados de futuros destacam o grau em que os pontos de vista dos operadores sobre as duas moedas divergiram.

O gráfico abaixo mostra a diferença entre o peso líquido de hedge funds e o peso líquido líquido dos especuladores e as posições reais nos mercados futuros dos EUA. Os dados da Commodity Futures Trading Commission refletem o viés da comunidade comercial especulativa em qualquer ativo.

No mês passado, os traders estavam mais otimistas sobre o peso mexicano em relação ao real do que em qualquer outro momento desde que os contratos futuros da CFTC em reais foram lançados em 2011. A diferença entre posições longas líquidas e posições reais líquidas curtas alcançou 174,00 contratos , Mostram dados CFTC.

Desde então, diminuiu cerca de 20.000 contratos, mas ainda é cedo para dizer se isso é um ponto de virada ou não.

Os cenários para o futuro da moeda brasileira

Existem duas escolas de pensamento sobre o que acontece a seguir.

No primeiro, o processo de reforma previdenciária do Brasil atinge outro obstáculo à medida que a economia entra em recessão, matando a recente recuperação do sentimento positivo. Os investidores, então, evitariam amplamente os mercados emergentes à medida que a desaceleração econômica dos EUA se consolidasse, colocando o real na mesma crise do peso mexicano.

No segundo cenário, as relações EUA-México azeda e Trump faz bem em sua ameaça de tapa tarifas pesadas sobre as importações do México. Ao mesmo tempo, passa a reforma previdenciária no Brasil, impulsionando o crescimento e a demanda dos investidores por ativos brasileiros.

Nesse cenário, a divergência continuaria, empurrando a correlação entre as duas moedas ainda mais fundo para território negativo e a divergência nos mercados futuros para novos máximos.

“Se o Brasil entregar, teremos uma grande mudança técnica com os investidores que estão desenrolando posições longas de dólar / Brasil”, disse um trader sênior em São Paulo.

Most Popular Topics

Editor Picks