Banco Central preza pela manutenção da taxa de juros 0 220

Banco Central preza pela manutenção da taxa de juros 1

O Banco Central do Brasil deixará sua taxa básica de juros inalterada nesta semana, de acordo com uma pesquisa da Reuters com economistas, mas o crescimento econômico cada vez mais fraco e as pressões inflacionárias sugerem que pode não demorar muito para que a política seja flexibilizada.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

As taxas do Banco Central

A taxa Selic do banco central está em baixa recorde de 6,50% há mais de um ano, e 18 dos 19 economistas entrevistados pela Reuters disseram que ainda estará lá depois que o comitê de políticas do banco, conhecido como “Copom”, se reunir em 18 de junho. 19

Um economista prevê um corte de taxa.

O viés de baixa está se formando rapidamente. A economia do Brasil está estagnada e pode até estar em recessão, a perspectiva global está se deteriorando e há sinais de que a inflação está voltando para a meta de 4,25% do banco central.

Dos 19 economistas entrevistados, treze disseram que a inclinação para as taxas no próximo ano é de queda, cinco disseram neutros e apenas um disse que está no topo.

Isso é muito mais do que a pesquisa anterior em maio, quando cinco dos quinze economistas disseram que o viés era descendente, nove eram neutros e um dizia positivo.

“A fraqueza da economia brasileira e a rápida queda da inflação significam que esperamos agora um corte nas taxas de juros, e acreditamos que há uma janela de oportunidade para o Copom atuar (nesta) reunião”, Edward Glossop, economista da América Latina na Capital Economics. escreveu em uma nota do cliente.

“Tudo dito, a reunião do Copom de quarta-feira será bem de perto, mas, no geral, achamos que um corte de 25 pontos-base (para 6,25%) é mais provável do que o contrário”, disse ele.

A previsão do Glossop é a mais agressiva na pesquisa, mas reflete a visão geral sobre a economia e o caminho para as taxas. Diversos economistas esperam que o Copom insira mais linguagem dovish em sua declaração de política, abrindo caminho para um eventual corte.

Grande parte do debate do Copom deve centrar-se em quão sérios os formuladores de políticas pensam que a atual desaceleração econômica é e como estão confiantes de que a inflação chegou ao máximo.

A economia encolheu no período de janeiro a março, sua primeira contração desde 2016. Os indicadores de abril e maio até agora mostraram pouco sinal de que as coisas mudaram muito, se é que sugerem, que a economia poderia estar tecnicamente em recessão.

O índice de atividade econômica IBC-Br mais recente do banco central pode ter desviado o equilíbrio para alguns membros do Copom. Mostrou que a atividade econômica caiu novamente em abril – o maior período de declínio da atividade desde a última recessão.

A economia do Brasil deve crescer menos de 1,0% este ano, segundo uma pesquisa do banco central divulgada na segunda-feira, enquanto os economistas cortaram suas projeções para a 16ª semana consecutiva em novas baixas e reduziram drasticamente suas perspectivas de taxa de juros.

Os mercados financeiros reduziram agressivamente suas visões de taxa de juros. Na quinta-feira, os contratos futuros de taxas de juros de 2020 caíram abaixo de 6,0% pela primeira vez, sugerindo que a taxa Selic será 50 pontos base mais baixa em cerca de 12 meses.

O desempenho da economia

Mesmo que contorne a recessão, a economia está com desempenho abaixo do esperado. A incerteza em torno da reforma previdenciária, a proposta do governo de 1.237 trilhões de reais (US $ 319 bilhões) para equilibrar os livros do Brasil e retomar o crescimento, também não está ajudando.

A inflação anual caiu para 4,66% em maio, de 4,92% em abril, a primeira queda neste ano, proporcionando algum alívio após quatro meses de alta.

Previous ArticleNext Article
Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil membro da OPEP? Este é um dos desejos de Bolsonaro 0 73

brasil membro da opep desejo de bolsonaro

Ainda durante a sua viagem para a Arábia Saudita, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (30/10), que se o Brasil se tornar membro da Opep, isso seria um sonho para a economia.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

A afirmação ocorreu durante um evento com investidores no país saudita, sob a justificativa de que o Brasil é detentor de uma excelente tecnologia de extração de petróleo com o pré-sal e isso seria muito interessante para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Todos artigos que houve vetos de Bolsonaro no Projeto de Abuso de Autoridade.

Opinião pessoal

Mas ele mesmo disse que esta é uma opinião pessoal e que há uma possibilidade do país fazer parte do grupo de produtores que conta como líder a própria Arábia Saudita.

Entre os membros da Opep estão os seguintes países:

  • Angola;
  • Argélia;
  • Gabão;
  • Guiné Equatorial;
  • Líbia;
  • Nigéria;
  • Gabão;
  • Venezuela;
  • Equador;
  • Arábia Saudita;
  • Emirados Árabes Unidos;
  • Irão;
  • Iraque;
  • Kuwait;
  • Catar;
  • Indonésia.

Oito destes países estão entre os 14 maiores produtores de petróleo do mundo. Mesmo diante da maioria ser árabe, a língua oficial da organização é o inglês. Mas a Opep não conta com a participação dos Estados Unidos.

Tarifas sobre produtos da Europa causa rebuliço na economia mundial 0 97

estados unidos aumenta tarifas uniao europeia

Esta sexta-feira (18/10) amanheceu “turbulenta” na economia mundial. Os Estados Unidos iniciaram uma medida de tarifação sobre produtos da União Europeia, que deverá totalizar aproximadamente US$ 7,5 bilhões.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Entre os produtos que tiveram a tarifa elevada foram os vinhos franceses, uísques escoceses, produtos muito consumidos por americanos e também aviões da marca Airbus.

Washington impôs as tarifas já a partir das 0h01 desta madrugada.

Porém o aumento está “legalizado” e devidamente autorizado pela Organização Mundial do Comércio (OMC). A organização definiu os critérios referentes aos subsídios que foram concedidos à Airbus.

13º salário para beneficiários do Bolsa Família é anunciado oficialmente.

União Europeia muito descontente

O aumento ocorre mesmo diante de um esforço dos funcionários e empresas europeias, além das ameaças do ministro da economia da França, Bruno Le Maire. Ele prometeu represálias caso os produtos fossem realmente taxados pelos americanos.

Com essa taxação, os Estados Unidos agora deverá vivenciar dois conflitos de larga escala. Um com a China e este com a UE. Não é possível prever os reais impactos na economia mundial, mas a expectativa dos economistas é que o cenário se agrave ainda mais.

Mas alguns produtos como o couro, por exemplo, foram poupados nesta primeira lista. Mas isso não garante que nos próximos meses os EUA resolvam acrescentar uma taxação de 25% para que possam ser comercializados no país.

Aviões

Agora todos os aviões de países como Espanha, Grã Bretanha, França e Alemanha, que contam com participação ativa na Airbus, deverão ser 10% mais caros quando forem importados para os EUA.

O que dizem os representantes da União Europeia?

Logo após a publicação das tarifas, a União Europeia comunicou que irá lutar até o fim contra os americanos na questão alfandegária. Mas mesmo diante do “nervosismo” o bloco econômico pretende encontrar uma solução “pacífica” para evitar novas taxações.

O ministro francês Le Maire já se pronunciou e disse que Washington está “Exposto a consequências”.

“Estamos prontos para adotar represálias, mas tudo de acordo com as regras da OMC. Neste momento em que o mundo econômico cresce menos, é responsabilidade das grandes potências fazer o possível para evitar conflitos desta natureza.”

Mas este caso a princípio já está definido, a ressalva agora é sobre eventuais novas taxações.

Most Popular Topics

Editor Picks