Impeachment Bolsonaro, uma realidade? Ao menos no Twitter sim! 0 140

Impeachment Bolsonaro, uma realidade? Ao menos no Twitter sim! 1

O Twitter na manhã desta sexta-feira (17) acordou todo animado com relação ao tema política. Já está nos Trending Topics um assunto bem polêmico, o Impeachment de Bolsonaro! Mas seria isso uma realidade?

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Muitos acreditam que se o atual presidente Jair Messias Bolsonaro continuar a dar ouvidos para muitos que fazem parte do seu governo, ele irá cometer diversos erros de gestão e prejudicar o apoio de pelo menos um terço da Câmara dos Deputados. Esses erros e o apoio minado, poderá ter uma consequência que já está familiarizada entre os brasileiros, o Impeachment.

Impeachment Bolsonaro, uma realidade? Ao menos no Twitter sim! 2

Mas ainda estamos no início do mandato, apesar dos assuntos polêmicos envolvendo os Bolsonaros nos últimos dias, sabemos que não será do dia para a noite que o governo irá arrumar a casa, principalmente após as gestões duvidosas dos últimos presidentes, que acabaram minando as riquezas do país, criando um ar de indignação por parte do eleitorado, que foi peça fundamental na eleição do novo governo.

Bolsonaro deverá instruir seus filhos e outros do governo a se envolverem menos em temas polêmicos, porém para contingenciar os rombos nos cobres públicos, será preciso focar em ações que podem “machucar” uma grande massa da população, como é o caso da Reforma da Previdência e dos cortes nas universidades federais.

Tudo tem o lado bom e ruim. Sabemos que sem sacrifícios é impossível comandar uma nação, porém todos os movimentos devem ser feitos com uma certa cautela.

Mourão

Caso essa faísca de Impeachment siga, quem deverá assumir os anos restantes do governo Bolsonaro é Mourão. Sabemos que ele possui ideias diferentes em diversos temas com relação à Bolsonaro, mas toda a Câmara, Senado e população deve sempre lembrar das consequências do Impeachment.

Poderá ser uma mudança para o bem, como uma mudança para o mal, o futuro dirá.

Previous ArticleNext Article
Jornalista pós-graduado em mídia e redes sociais e jornalismo com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bolsonaro e Mourão estão nos trending topics do Twitter no momento 0 83

bolsonaro e mourão

Bolsonaro e Mourão, presidente e vice-presidente do Brasil, respectivamente, estão entre os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil, neste momento. Por enquanto, até o presente momento, houve pelo menos 13 mil tweets falando a respeito deles na referida rede social. Continue lendo para entender o motivo.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia também:

Bolsonaro e Mourão entre os assuntos mais comentados do Twitter

bolsonaro e mourão

Não é à toa que hoje Bolsonaro e Mourão estão entre os assuntos mais comentados do Twitter aqui no Brasil neste momento. Hoje, diversos veículos de mídia anunciaram uma notícia de que o Planalto vai pagar cerca de 7,1 milhões de reais para a aquisição de carros de luxo blindados não só para Bolsonaro e Mourão em si, mas para a família de ambos.

Em uma matéria divulgada inicialmente na revista Época, divulgou-se que o Palácio do Planalto solicitou, em caráter de urgência, a compra de carros de luxo blindado para Bolsonaro, Mourão e suas respectivas famílias.

O pregão vai ser aberto daqui há 15 dias, aproximadamente e estima uma expectativa de utilização de até 39 carros. Uma das exigências requeridas para os automóveis é que eles possuam suporte para armas letais, pneus à prova de bala, equipamentos de monitoramento e equipamentos de varredura.

Dentre as opções listadas no pregão em questão, estão carros de modelos como Audi A6, Honda Accord, Ford Fusion ou “superiores”, conforme consta no documento.

A reação nas redes sociais

No Twitter, inúmeros internautas, entre conhecidos e “anônimos”, criticaram duramente o gasto nababesco com tal tipo de aquisição. Entre os diversos argumentos, muitos falam do quanto o gasto é excessivo e desnecessário.Outros criticam ainda dizendo que eles promovem cortes absurdos em coisas importantes, como a educação, mas gastam sem cerimônia com carros para um único grupo restrito e privilegiado.

Veja abaixo alguns tweets contendo a reação dos internautas sobre o pregão envolvendo compra de carros blindados de luxo para Bolsonaro e Mourão:

Congressista republicano Justin Amash afirma que conduta de Trump é passível de impeachment 0 80

congressista republicano justin amash

O congressista republicano Justin Amash, um freqüente crítico do presidente Donald Trump, no sábado, tornou-se o primeiro legislador republicano a dizer que o presidente se envolveu em um comportamento que não pode ser tratado.

>> Siga-nos no Google News e Concorra a um iPhone 10 – CLIQUE AQUI! e depois em SEGUIR⭐️

Leia tambémPolíticas de austeridade econômica são uma violência estrutural, de acordo com pesquisa inglesa.

Congressista republicano Justin Amash e as duras críticas a Trump

congressista republicano justin amash

O relatório do conselheiro especial Robert Mueller sobre a investigação da interferência russa na eleição de 2016 revela que Trump “se envolveu em ações específicas e um padrão de comportamento que atende o limiar para o impeachment”, afirmou Amash, que indicou que consideraria um libertário contra Trump na eleição de 2020, escreveu no Twitter.

Leia tambémImpeachment Bolsonaro, uma realidade?Ao menos no Twitter sim!

O relatório de Mueller “identifica vários exemplos de conduta que satisfazem todos os elementos de obstrução da justiça e, sem dúvida, qualquer pessoa que não seja o presidente dos Estados Unidos seria indiciada com base em tais evidências”, escreveu o congressista republicano Justin Amash.

Trump disse que o relatório de Mueller concluiu que não há obstrução da justiça. O relatório de Mueller não fez nenhuma descoberta formal sobre essa questão, deixando o assunto para o Congresso.

O congressista republicano Justin Amash também escreveu que “está claro” que o procurador-geral William Barr pretendia enganar o público sobre o relatório de Mueller em suas conclusões e testemunho do Congresso sobre o assunto.

Leia também Primeira ministra do Reino Unido é pressionada para estabelecer data de sua saída do governo.

Em sua carta ao Congresso, Barr disse que ele e seu vice Rod Rosenstein determinaram que não havia provas suficientes para estabelecer que o presidente cometeu obstrução penal à justiça, ou agiu ilegalmente para impedir a investigação.

Os impactos da declaração de Amash

Os comentários do congressista republicano Justin Amash ecoaram as conclusões de muitos democratas. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse em 8 de maio que Trump estava se aproximando do impeachment com seus esforços para impedir intimações do Congresso e obstruir os esforços dos legisladores para supervisionar sua administração.

Ainda assim, os democratas estão divididos sobre o impeachment e Pelosi também disse que os procedimentos de impeachment seriam “divisivos” para o país.

A Casa Branca e o Departamento de Justiça não responderam imediatamente aos pedidos de comentários sobre os tweets de Amash.

Ronna McDaniel, presidente do Comitê Nacional Republicano, escreveu no Twitter “é triste ver … Amash repetindo os pontos de vista dos democratas sobre a Rússia”. Ela disse que as únicas pessoas que ainda estão preocupadas com a investigação russa são os inimigos políticos de Trump. derrotá-lo em 2020 por qualquer meio desesperado possível. ”

O congressista republicano Justin Amash, que representa o terceiro distrito congressional de Michigan, escreveu que leu o relatório completo de Mueller, mas que poucos membros do Congresso tinham feito.

Em fevereiro, Amash se tornou o único republicano a co-patrocinar uma resolução na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos para rejeitar a emergência de Trump declarada na fronteira entre os EUA e o México para construir um muro lá, em uma repreensão ao presidente.

O impeachment deve ser realizado apenas em circunstâncias extraordinárias, escreveu Amash no sábado. Mas o risco durante um período de partidarismo extremo “não é que o Congresso o empregue como um remédio com demasiada frequência, mas sim que o Congresso o empregará tão raramente que não possa impedir a má conduta”.

Most Popular Topics

Editor Picks