Divergências | Governistas não se entendem 0 7

lindolfo pires

A falta de união entre os membros da bancada de apoio ao governo do Estado na Assembleia Legislativa, que não conseguem formar quórum para votar os projetos de interesse do Poder Executivo, começa a tomar forma.

Na manhã de ontem, o deputado estadual José Aldemir (Dem) chamou o líder da situação, deputado Lindolfo Pires (Dem) de equivocado, devido às informações prestadas em relação ao que de fato aconteceu durante a sessão da terça-feira (14), quando parlamentares teriam sido impedidos de participar da contagem de presentes para formação do quórum.

“Lindolfo Pires disse que eu e o deputado Janduhy Carneiro havíamos sido barrados pelos deputados que fazem oposição ao governo do estado para que não tivéssemos acesso ao plenário para não dar quórum, mas isso não procede porque eu sei o meu papel como parlamentar e não fugiria disso”, afirmou o deputado José Aldemir.

Previous ArticleNext Article
Jornalista pós-graduado em mídia e redes sociais e jornalismo com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Imagem de Nossa Senhora Aparecida resiste à compactação em lixão e é encontrada intacta 0 75

nossa-senhora-aparecida-aterro

Uma imagem de Nossa Senhora Aparecida resistiu ao processo de compactação de lixo e foi encontrada intacta no interior de minas. O fato aconteceu na cidade de Patos de Minas, cidade localizada a 400km da capital Belo Horizonte.

Quem encontrou a imagem da Santa foram os funcionários do Aterro Sanitário da cidade. O supervisor do local Amarildo Ribeiro Silva e Osmar Pio operador de roçadeira, foram os primeiros a localizar e imagem de Nossa Senhora.

O que mais impressionou os funcionários, é que a imagem estava localizada junto aos destroços de lixo, que passa por todo um processo de compactação do caminhão de coleta de lixo. Todo o lixo também é processado pelos caminhões, de forma que se tornam uma grande mistura para processamento no aterro.

Além da prensa usada pelos caminhões, o lixo depositado no aterro sofre uma nova compactação executada por tratores de esteiras que pesam mais de 19 toneladas. A santa estava prestes a ser enterrada em meio ao lixo quando foi encontrada pelos funcionários. Nossa Senhora Aparecida estava coberta pela sujeira, mas sem danos.

Construção de capela em homenagem a Santa

Segundo o diretor de operações da empresa responsável pelo Aterro Sanitário, Enio Ferreira, depois de ser desprezada, a imagem vai ganhar lugar de destaque. Os funcionários que encontraram a imagem, pretendem criar uma capela para homenagear Nossa Senhora Aparecida no aterro sanitário. A santa tem de cerca de 60 centímetros.

Fotos: https://www.patoshoje.com.br/

Fim dos estacionamentos privativos 0 16

estacionamento brasil

Procurar um lugar para estacionar na capital está cada vez mais difícil. Quando não é a limitação da Zona Azul, são os estacionamentos ditos exclusivos espalhados pelas calçadas de farmácias, supermercados, clínicas e até bancos. O que muita gente não sabe é que essa prática não é permitida por lei. O Código de Trânsito Brasileiro estabelece que no momento em que a calçada é rebaixada, o espaço para o estacionamento passa a ser de uso público. Para alertar os estabelecimentos sobre o uso inapropriado de correntinhas e placas que restringem o uso das calçadas aos clientes em atendimento, a STTrans vai iniciar nos próximos dias notificações aos estabelecimentos que fazem uso dessa prática.

Empreendimentos têm colocado avisos com ameaça de reboque de carros argumentando que espaços são destinados, especificamente, a clientes em atendimento Foto: Fotos: Rafaela Tabosa/ON/D.A. Press “Algumas pessoas já estão se enquadrando, outras não. Por isso faremos notificações caso a caso. Se não houver adequação por parte dos estabelecimentos, vamos multar”, disse o diretor da Divisão de Estacionamento e Registro da Sttrans, Cristiano Nóbrega. O valor da multa ainda será estabelecido através de Portaria.

O Artigo 93 do Código de Trânsito exige que todo empreendimento com pólo gerador de tráfego é obrigado a ter um estacionamento. Baseado nisto, os responsáveis pelos empreendimentos fazem o recuo do imóvel e rebaixam as calçadas, impedindo que outros motoristas usem a rua para estacionar. “Vamos pensar na seguinte premissa: se todo mundo rebaixar a calçada, o espaço público da cidade vai acabar. Por isso é proibido restringir a calçada para o uso exclusivo de clientes. É como privatizar uma área pública”, explicou Nóbrega.

O professor Cláudio Roberto nunca estacionava em locais com placas que pudessem gerar algum constrangimento e desconhecia o direito de fazer uso da vaga independente de usufruir do estabelecimento em questão. “Gostei muito de saber disso. Espero que os órgãos responsáveis sejam rigorosos na fiscalização. Quando a gente para pra pensar, percebe que não faz sentido ocupar as calçadas, impedindo que as pessoas estacionem nas ruas que é um espaço público”, disse o motorista.

Cerca de 180 mil veículos circulam nas ruas da Capital. A previsão da STTrans é que haja um crescimento na frota de 10% ao ano. Se os estacionamentos das calçadas fossem realmente proibidos, muitos motoristas teriam que deixar seus veículos em casa, porque não conseguiriam um local para estacionar. No Centro da cidade, 1.250 vagas são restritas à Zona Azul. Para estacionar, o motorista é obrigado a pagar uma taxa de R$ 1,30 por duas horas. Se não retirar o veículo dentro do prazo, o motorista está passível a receber multa no valor R$ 53,21, além de perder três pontos na carteira.

Most Popular Topics

Editor Picks