Centro de Zoonoses sacrificou 657 cães em apenas três meses 0 84

centro zoonoses

Um total de 657 cachorros foram sacrificados nos últimos três meses, no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), órgão público ligado diretamente à Secretaria Municipal de Saúde. Os cães tiveram que ser mortos por estarem contaminados com doenças como a leishmaniose, raiva e a leptospirose. De acordo com o chefe do Serviço de Controle e Vacinação do CCZ, veterinário Felipe Sobral, estas doenças podem ser transmitidas dos animais para o ser humano. Quando os bichos estão em com estágio avançado da doença, precisam passar pelo processo de eutanásia. “As doenças parasitárias acometem tanto filhotes quanto adultos, e merecem destaque na questão da saúde pública, pois o manejo correto e a higiene dos animais são fundamentais para a saúde humana”, afirmou o veterinário. O processo é feito através de uma injeção de uma medicação veterinária, e o óbito do animal ocorre entre 1 a 2 segundos após a aplicação. “A medicação age instantaneamente, e eles não sentem dor nem qualquer tipo de maltrato”, diz.

A carrocinha do Centro de Zoonoses recolheu 661 cães no período de outubro a dezembro do ano passado, sendo 164 através de solicitações da população. Os cães que não possuem doenças ou que não ofereçam qualquer risco para a saúde humana permanecem no canil do órgão, aguardando a adoção. Felipe Sobral explica que não existe um período máximo de permanência destes animais no canil municipal. “O fluxo de saída destes animais é muito rápido. A maioria deles chega a passar entre 15 e 30 dias no canil. Fornecemos toda a estrutura necessária para acolher estes cães, que passam por um processo de higienização e ficam sobre nossos cuidados até que alguém se interesse e venha adotá-los”, explica Felipe Sobral. No último trimestre, 182 cachorros foram adotados por pessoas que procuraram o serviço. “O tempo máximo que um cachorro ficou sobre nossos cuidados foi de aproximadamente dois meses. Quando achamos que ele não seria adotado, apareceu um voluntário para cuidar dele”, diz.

Adoção

O processo de adoção é simples e rápido. O interessado (que deve ser maior de 18 anos) vai até o canil do Centro de Controle de Zoonoses, no Jardim Cidade Universitária, e escolhe o animal. Logo depois, é preenchido um termo de compromisso, no qual o responsável se compromete a cuidar do cachorro, incluindo a questão das vacinações. “No momento, como o Ministério da Saúde suspendeu a vacina contra raiva em todo o Brasil, não estamos entregando os animais já vacinados. O responsável deverá levá-lo a uma clínica veterinária para providenciar as vacinas”, ressalta Felipe Sobral. O CCZ possui o telefone 3218-9357 para quaisquer dúvidas sobre o processo de adoção, além de receber denúncias ou solicitar palestras educativas em escolas e associações comunitárias.

Previous ArticleNext Article
Jornalista pós-graduado em mídia e redes sociais e jornalismo com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ex-seminaristas suspeitos de ameaças contra padres 0 28

seminaristas suspeitos

Três ex-seminaristas são os principais suspeitos de uma série de ameaças de morte e tentativas de extorsão a pelo menos três padres da diocese de Cajazeiras, no Sertão da Paraíba. Há cerca de dois anos, os padres vinham sofrendo ameaças de calúnia e extorsão, que passaram a ficar mais graves, chegando a ameaças de morte. A diocese prestou denúncia, no início da semana, ao Ministério Público Estadual, que encaminhou o caso à Delegacia Distrital de Cajazeiras, onde um inquérito já foi instaurado.

Umas das mais recentes ameaças dizia que 15 padres seriam mortos em um evento católico, no mês de janeiro, e, logo após, o responsável pelo atentado cometeria suicídio na frente de todos. De acordo com o major José Ronildo, comandante do 6º Batalhão de Polícia Militar (BPM), em Cajazeiras, a série de ameaças teve início com o pedido de reingresso dos três seminaristas à arquidiocese. Com a negativa, os ex-seminaristas pediram a quantia de R$ 50 mil para que não divulgassem fatos supostamente ligados à vida íntima dos padres.

Um dos seminaristas, que morava em Cajazeiras, estaria morando em São Paulo. Já os outros dois são de João Pessoa, segundo o major José Ronaildo. Os três foram expulsos por problemas disciplinares dentro da arquidiocese. “Há suspeita de que havia um relacionamento homossexual entre eles, um deles, inclusive, chegou a confessar o interesse em um dos colegas”, revelou. Os três ex-seminaristas não teriam se conformado, segundo a versão da polícia, e iniciado uma série de ataque aos religiosos.

O inquérito está sob responsabilidade do delegado Luiz Barbosa Neto, da Delegacia Regional de Cajazeiras. Ele recebeu o inquérito ontem e uma das primeiras providências foi ouvir o bispo Dom José Gonzáles, responsável pela diocese de Cajazeiras. “Recebi o inquérito às pressas e ainda não tenho maiores informações. Vou começar a ouvir as partes para podermos chegar aos responsáveis pela denúncia”, garantiu o delegado.

Em nota divulgada à imprensa, o bispo disse que ele e outras pessoas passaram a receber telefonemas, e-mails e torpedos, de origem desconhecida, denegrindo o clero e seminaristas com difamações e calúnias, em linguagem desrespeitosa, agressiva e mesmo pornográfica. “Por fim, as mensagens passaram a conter ameaças de todo tipo, também de morte, pessoais e até coletivas, tentando criar um clima de terror e de chantagem, com caráter extorsivo”, dizia a nota da Diocese de Cajazeiras.


Motorista suspeito de abuso 0 30

motorista acusado de abuso

Um motorista de 66 anos foi preso na manhã de ontem acusado de abusar sexualmente de uma menina de apenas 10 anos de idade. O crime aconteceu na manhã da última quarta-feira, mas a garota foi rápida e, assim que encontrou a mãe, relatou o que tinha acontecido na casa de sua bisavó, onde o acusado tinha lhe levado para passar a tarde. Ele trabalhava como motorista para a família da vítima há pouco mais de um ano, mas só agora teria demonstrado um comportamento libidinoso, beijando o rosto e acariciando as partes íntimas da garota.

De acordo com o depoimento prestado pela criança na Delegacia de Crimes Contra a Infância e Juventude, o suspeito estava levando-a para a casa de sua bisavó, mas parou o veículo num posto de gasolina e comprou guloseimas e um jogo para ela. Além dos agrados, o motorista deu o troco da compra para a menina. “Na casa da minha bisavó, ele me chamou para brincar com o jogo, deu um beijo na minha testa e olhou para cima, para ver se havia alguém olhando. Eu perguntei porquê ele estava olhando para o alto e ele disse que era porque ali tinha muita gente curiosa”, contou a vítima, em depoimento.

Após o beijo na testa, o motorista chamou a criança para outro terraço, que serve como garagem da casa, e passou a beijar todo o rosto e acariciar as partes íntimas da menina, que logo arranjou um argumento e saiu correndo do local. “A criança disse que sua mãe estava telefonando e saiu imediatamente da garagem. Quando foi sair com a bisavó para ir ao médico, a menina chamou a empregada da casa para ir junto, com medo que o motorista tentasse abusá-la novamente. Apesar de ter apenas 10 anos, ela é uma garota bem instruída, que assim que encontrou a mãe, denunciou a atitude do empregado da família”, contou a delegada Joana D’arc Sampaio Nunes, que assumiu o caso.

Os pais da garota ficaram chocados com o que aconteceu e, assim que a menina relatou o fato, procuraram a Delegacia de Crimes Contra a Infância e a Juventude. “Quando me encontrou à noite, minha filha disse que tinha um assunto sério para conversar comigo. Mal esperou chegar em casa e disse o que o motorista tinha feito. Estamos chocados porque a gente cuida de uma filha com todo carinho e um monstro desse vem fazer mal à ela, mas estamos orgulhosos porque ela soube agir da melhor maneira”, relatou a mãe da criança.

Na delegacia, o suspeito negou todas as acusações. “Eu não fiz nada disso. Só comprei doce para ela. Não sei porque ela tá fazendo isso”, alegou. O motorista, que é casado e pai de oito filhos, responderá pelo crime de abuso sexual contra vulnerável e pode ficar detido por um período de 8 a 15 anos de reclusão se for condenado pela justiça.


Most Popular Topics

Editor Picks